Modelos mentais para representação atômica numa perspectiva de aprendizagem significativa

Adriano Rego Pires, Andréa de Lima Ferreira Novais, Luiz Moreira Gomes, Fernanda Carla Lima Ferreira

Resumo


Em diversas áreas da ciência é comum utilizar o termo modelo como uma representação analógica de um fenômeno, relacionando-o as memórias cotidianas para obter um quadro mental que possibilite a sua compreensão. Ao utilizar esse termo para definir fenômenos atômicos é necessário um amplo grau de abstração, pois o mesmo se distancia do cotidiano exigindo representações análogas a realidade. A partir da compreensão de que o termo modelo é em muitas áreas utilizado como uma representação abstrata é que este trabalho torna-se imprescindível. Outra importante contribuição é analisar a didática utilizada pelos professores de Ciências ao abordarem esse termo em suas práticas. Além do processo de formação dos modelos mentais na perspectiva da construção de conhecimento. O presente trabalho analisou um questionário contendo 3 (três) questões referentes a, por exemplo, constituição e movimento atômico. As análises realizadas após a aplicação do questionário revelaram dificuldades relacionadas ao processo em que ocorre o ensino e aprendizagem acerca do conteúdo referente aos modelos atômicos e nas representações e estruturas cognitivas utilizadas. 


Palavras-chave


modelos mentais, modelos atômicos, aprendizagem significativa

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2019.074815

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Adriano R. Pires, Andréa L. F. Novais, Luiz M. Gomes, Fernanda C. L. Ferreira

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.