Efeito da temperatura no crescimento micelial, produção e germinação de esporos de Thielaviopsis paradoxa isolado de coqueiros em Sergipe

Rejane Rodrigues da Costa e Carvalho, Dulce Regina Nunes Warwick, Paulo Estevão de Souza, José Luiz Sandes de Carvalho Filho

Resumo


A resinose do coqueiro, causada pelo fungo Thielaviopsis paradoxa, atualmente é a doença mais agressiva da cultura no estado de Sergipe (SE). Devido à inexistência de estudos epidemiológicos sobre a doença e com o intuito de se descobrir a temperatura ideal para o desenvolvimento do patógeno, foi estudado o efeito da temperatura no crescimento micelial, produção e germinação de conídios de T. paradoxa isolado de Neópolis, SE. Todas as características avaliadas apresentaram comportamento quadrático, sendo que os valores de temperatura ótimos para as características avaliadas foram obtidos pela derivada da equação de regressão. A temperatura ótima para o crescimento micelial foi de 28,28°C, para a produção de esporos foi de 28,99°C e para a germinação de esporos foi de 28,05°C. Portanto, a temperatura que favorece o desenvolvimento do fungo é a mesma que ocorre em boa parte do ano no estado de Sergipe.

Palavras-chave


Thielaviopsis paradoxa, cocos nucifera, resinose

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.