O elegante controle do trabalho em “O Diabo veste Prada”

Ana Virgínia Andrade de Oliveira, Marley Rosana Melo de Araújo

Resumo


OO trabalho exerce papel real e simbólico na vida das pessoas, embora suas feições tenham mudado ao longo do tempo, decorrente de avanços científicos, tecnológicos, mercadológicos e sócio-culturais, os quais impõem novos desafios e exigências ao trabalhador contemporâneo. Este artigo objetivou ilustrar as características do Toyotismo, especialmente no que concerne ao gerenciamento das relações subjetivas de trabalho, e seus efeitos nos trabalhadores. Para tanto, foi realizada análise fílmica da obra cinematográfica “O Diabo veste Prada”, consistindo de: definição do objeto e tema de pesquisa; seleção, crítica externa e interna do filme; comparação e análise dos conteúdos. Após análise das cenas, constatou-se que a característica mais marcante deste modelo é a flexibilização e que o filme ilustra o que é exposto na literatura científica sobre essa temática, confirmando vivências de insegurança, individualismo e competitividade, amplamente difundidos no modelo toyotista. Espera-se clarificar aspectos deste modelo de regulação do trabalho, de forma a favorecer posicionamentos do psicólogo em sua atuação em contextos laborais.


Palavras-chave


Toyotismo; Flexibilização; Trabalho.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14808/sci.plena.2017.077101

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Ana Virgínia Andrade de Oliveira, Marley Rosana Melo de Araújo
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.