Inventário da malacofauna límnica de três grandes reservatórios do sertão de Pernambuco, Brasil

Autores

  • Silvano Lima do Nascimento Filho Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada
  • Girlene Fábia Segundo Viana Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada
  • Ricácio Luna Marques Gomes Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada

Palavras-chave:

moluscos, reservatórios, inventário.

Resumo

A construção de reservatórios para suprir as necessidades da população humana acarreta sérios danos aos ambientes aquáticos, tais como: perda diversidade, dominância de espécies invasoras e introdução de espécies exóticas. Nesses ambientes, a diversidade da malacofauna destaca-se por apresentar elevada riqueza, abundância e biomassa. O objetivo do trabalho foi inventariar as espécies de moluscos em três reservatórios de grande porte do sertão de Pernambuco. As coletas foram realizadas com o auxílio de um puçá com abertura de malha de 2 mm, com tréplicas em seis estações em cada reservatório. O material coletado foi acondicionado em sacos plásticos, etiquetados e conservados em álcool a 70%. Foi analisada a riqueza, densidade, frequência de ocorrência, abundância relativa, diversidade de Shannon-Wiener, equitabilidade e o índice de Berger-Parker. No total, foram registradas seis espécies de moluscos, são elas: Anodontites trapesialis (Lamarck, 1819), Biomphalaria straminea (Dunker, 1848) Pomacea lineata (Spix, 1827), Melanoides tuberculatus (Muller, 1774), Corbicula fluminea (Muller, 1774) e Aylacostoma sp., caracterizando-se por quatro espécies nativas e duas exóticas, totalizando uma abundância total de 19.179 indivíduos para os três reservatórios. Em todos os reservatórios, ficou evidente a dominância da espécie exótica invasora Melanoides tuberculatus que apresentou altos valores de densidade variando de 1673,92 ind./m², 1052,25 ind./m² e 2035,25 ind./m² para os respectivos reservatórios Entremontes, Poço da Cruz e Serrinha. Conclui-se com este estudo, que há semelhança entre os reservatórios quanto às espécies descritas e há dominância da espécie exótica e invasora Melanoides tuberculatus, sendo a responsável pelos baixos valores dos índices de diversidade e equitabilidade.

Biografia do Autor

Silvano Lima do Nascimento Filho, Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada

 http://lattes.cnpq.br/6206588983674028

Pesquisador do departamento de Ecologia de Bentos seguindo as áreas de Zoologia, Ecologia e Limnologia.
Pesquisas envolevendos bentos límnicos em ambientes lênticos e Lóticos do Nordeste Brasileiro.

Girlene Fábia Segundo Viana, Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada

http://lattes.cnpq.br/3338076933519392

Ricácio Luna Marques Gomes, Universidade Federal Rural de Pernambuco/ Unidade Acadêmica de Serra Talhada

http://lattes.cnpq.br/2517518285214702

Referências

1. Esteves, F. Fundamentos da Limnologia. 2 ed. Rio de Janeiro, Interciência. 1998. 602.p.
2. Bonetto, A. A.; Tassara, M. P. Notas sobre el conocimento limnologico de los gasteropodos paranenses y sus relaciones tróficas. ECOSUR. 1987; p. 55-62.
3. Landoni, N. A. Inventário de los moluscos de agua dulce de la Provincia de Buenos Aires. Comisión de investigaciones científica. La Plata. 1992; 2 (17): 59.
4. Avelar, W. E. Moluscos Bivalves, p.65-68. In: Ismael, D.; Valenti, W. C.; Matsumura-Tundisi, T.; Rocha, O. Biodiversidade do Estado de São Paulo, Brasil: síntese do conhecimento ao final do século XX. Vol. 4: Invertebrados de Água Doce. São Paulo, FAPESP; 1999.
5. Pereira, D.; Inda, L. A.; Konrad, H. G. Composição e abundância de espécies de moluscos do bentos marginal da microbacia do arroio Capivara, Triunfo, RS, Brasil. Biociências. 2001; 9 (1): 3-20.
6. Pineda, M. D.; Schafer, A. Adequação e critérios e métodos de avaliação de águas superficiais baseada no estudo ecológico do rio Gravataí. Ciência e Cultura. 1987; 39 (2): 198-206.
7. Lanzer, R.; Schafer, A. Moluscos dulceaquícolas como indicadores de condições tróficas em lagoas costeiras do sul do Brasil. Revista Brasileira de Biologia. 1987; p. 47-56.
8. Ricciardi, A.; Rasmussen, J. B. Extinction rates of North American freshwater fauna. Conservation Biology. 1999; 13(5): 1220-1222.
9. Bogan, A. E. Global diversity of freshwater mussels (Mollusca, Bivalvia) in freshwater. Hydrobiologia. 2008; 595:139-147.
10. Strong, E. E.; Gargominy, O.; Ponder, W. F.; Bouchet, P. Global diversity of gastropods (Gastropoda; Mollusca) in freshwater. Hydrobiologia. 2008; 595:149-166.
11. Mansur, M. C. D.; Heydrich, I.; Pereira, D.; Richinitti, L. M. Z.; Tarasconi, J. C.; Rios, E. C. Moluscos. In: Livro vermelho da fauna ameaçada de extinção no Rio Grande do Sul (Fontana, C. S.; Benck, G. A.; Reis, R. E.). PUCRS, Porto Alegre. 2003. 632p.
12. Dudgeon, D.; Arthington, A. H.; Gessner, M. O.; Kawabata, Z. I.; Knowler, D. J.; Lévêque, C.; Naiman, R. J.; Prieurrichard, A. H.; Soto, D.; Stiassny, M. L. J.; Sullivan, C. A. Freshwater biodiversity: importance, threats, status and conservation challenges. Biological Reviews. 2006; 81: 163-182.
13. Howard, J. K.; Cuffey, K. M. The functional role of native freshwater mussels in the fluvial benthic environment. Freshwater Biology. 2006; 51: 460-474.
14. Allen, D. C.; Vaughn, C. C. Complex hydraulic and substrate variables limit freshwater mussel species richness and abundance. Journal of the North American Benthological Society.2010; 29 (2): 383-394.
15. Pérez-Quintero, J. C. Environmental determinants of freshwater mollusk biodiversity and identification of priority areas for conservation in Mediterranean water courses. Biodiversity and Conservation. 2012; 21: 3001-3016.
16. Ricciardi, A.; Neves, R. J.; Rasmussen, J. B. Impending extinctions of North American freshwater mussels (Unionoida) following the zebra mussel (Dreissena polymorpha) invasion. Journal of Animal Ecology. 1998; 67: 613-619.
17. Strayer, D. L. Effects of alien species on freshwater mollusks in North America. Journal of the North American Benthological Society.1999; 18:74-98.
18. Mansur, M. C. D.; Santos, C. P.; Pereira, D.; Paz, I. C. P.; Zurita, M. L. L.; Rodriguez, M. T. R.; Nehrke, M. V.; Bergonci, P. E. A. Moluscos límnicos invasores no Brasil: biologia, prevenção e controle. Porto Alegre: Redes Editora. 2012. 418 p.
19. Lysne, S. J.; Perez, K. E.; Brown, K. M.; Minton, R. L.; Sides, J. D. A review of freshwater gastropod conservation: challenges and opportunities. Journal of the North American Benthological Society. 2008; 27:463-470.
20. Downing, J. A.; Van Meter, P.; Woolnough, D. A. Suspects and evidence: a review of the causes of extirpation and decline in freshwater mussels. Animal Biodiversity and Conservation. 2010; 33 (2): 151-185.
21. Simone, L. R. L. Land and freshwater Molluscs of Brazil. EGB, Fapesp. São Paulo. 2006. 390 p.
22. Hammer, Ø.; Harper, D. A. T.; Ryan, P. D. PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica. 2001.
23. Freitas, J. R.; Bedê, L. C.; De Marco, P.; Rocha, L. A.; Santos, M. B. L. Population dynamics of aquatic snails in Pampulha Reservoir. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. 1987; 82: 299-355.
24. Pointier, J. P.; Theron, A.; Borel, G. Ecology of the introduced snail Melanoides tuberculatus (Gastropoda: Thiaridae) in relation to Biomphalaria glabrata in the marshy forest zone of Guadaloupe, French West Indies. Jornal of Molluscan Studies. 1993; 59: 421-248.
25. Souza, C. P.; Lima, L. C. Moluscos de interesse parasitológico do Brasil. Belo Horizonte: Editora da FIOCRUZ/CPqRR. 1990.
26. Gazin, P.; Barbosa, C. S.; Bouvy, M.; Audry, P. Registro de ocorrência de vetores da esquistossomose mansônica em açude do Sertão de Pernambuco. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2000; 33 (4): 407-408.
27. Vitousek, P. M. Biological invasions and ecosystem processes: towards integration of population biology and ecosystem studies. Oikos. 1990; 57: 7-13.
28. Amaral, A. C.; Ribeiro, C. V.; Mansur, M. C. D.; Santos, S. B.; Avelar, W. E. P.; Matthews-Carson, H.; Pereira Leie, F. P.; Melo, G. A. S.; Coelho, P. A.; Buckup, G. B.; Buckup, L.; Ventura, C. R. R.; Tiago, C. G. Invertebrados Aquáticos. Machado, A. B. M.; Drummond, G. M.; Pereira, A. (Org.). Livro vermelho da fauna Brasileira Ameaçada de extinção. 1ed. Brasília: Ministério do Meio ambiente (MMA). 2008; 1: 157-296.
29. Dvorák, J.; Best, E. P. H. Macroinvertebrate communities associated with the macrophytes of Lake Vechten: structural and functional relationships. Hydrobiologia. 1982; 95: 115-126.
30. Simberloff, D. Impactes of Introduced species in the United States. Consequences. 1996; 2 (2): 13-24.
31. Baskin, Y. Ecosystem function of biodiversity. Bioscience. 1994; 44: 657-660.

Downloads

Publicado

2014-11-06