Justiça de transição e construção democrática: um olhar sobre o Brasil pós-ditadura militar

Autores

  • Liziane Rodríguez Formada em Direito pelo Centro Universitário Franciscano. Atualmente aluna da pós-graduação em Direito Penal e Política Criminal: Sistema Constitucional e Direitos Humanos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Luiz Taschetto de Almeida

Palavras-chave:

Democracia, Ditadura Civil-Militar, Justiça de transição.

Resumo

O período de vinte e um anos de ditadura civil-militar no Brasil deixou consequências severas no imaginário social e nas instituições públicas, especialmente no que se refere às práticas antidemocráticas e violadoras de direitos e garantias fundamentais. Estas consequências advêm do fato de que o país não passou por uma transição democrática nos moldes preconizados pela chamada Justiça de Transição. Neste sentido, o presente trabalho tem como principal objetivo traçar um panorama entre o período atual e o período da Ditadura Civil-Militar, trazendo como ponto de discussão, no que se refere à democracia, o amadurecimento do Brasil em relação a este período autoritário. Dessa forma, serão apresentados aspectos da Ditadura e a transição para o atual Estado Democrático de Direito, explicitando os requisitos que o Brasil deveria ter atendido (ou atendeu) para, assim, afirmar os valores democráticos. O método de abordagem utilizado na presente pesquisa foi o hipotético-dedutivo, através do qual se partiu da hipótese de que a democracia brasileira ainda apresenta fragilidades, especialmente em setores como a segurança pública, em razão de o país não ter cumprido as etapas estabelecidas pela justiça de transição. A partir do método de procedimento da pesquisa bibliográfica, e de fontes diretas como noticiários, buscou-se partir de princípios gerais referentes à justiça de transição e, sob esse enfoque, analisar a realidade Brasileira.

Biografia do Autor

Liziane Rodríguez, Formada em Direito pelo Centro Universitário Franciscano. Atualmente aluna da pós-graduação em Direito Penal e Política Criminal: Sistema Constitucional e Direitos Humanos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4817707P2

Referências

1. Abrão P, Torelly MD. Justiça de Transição no Brasil: a dimensão da reparação. Repressão e Memória Política no Contexto Ibero-brasileiro: estudos sobre Brasil, Guatemala, Moçambique, Peru e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anisita; Portugal: Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Sociais; 2010.
2. Abrão P, Genro T. Memória Histórica, Justiça de Transição e Democracia sem Fim. Repressão e Memória Política no Contexto Ibero-brasileiro: estudos sobre Brasil, Guatemala, Moçambique, Peru e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anisita; Portugal: Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Sociais; 2010.
3. Arquivo Público do Estado de São Paulo. Arquivos inéditos do DOPS são abertos ao público. São Paulo; 2013. Acesso em 16/05/2013. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/imprensa/ver_releases.php?id=106
4. Bastos LEAF. Anistia: as leis Internacionais e o caso Brasileiro. São Paulo: Juruá Editora; 2009.
5. Bobbio N. O futuro da democracia. 8 ed. rev. e amp. Tradução de Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Paz e Terra; 2002.
6. Brasil. Lei nº. 6.683, de 28 de agosto de 1979. Concede anistia e dá outras providências. Diário Oficial da União 28 ago 1979.
7. Brasil. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão especial sobre mortos e desaparecidos políticos. Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/sedh/biblioteca/livro_direito_memoria_verdade/livro_direito_memoria_verdade_sem_a_marca.pdf.
8. Chauí MS. In: Lefort, Claude. A invenção democrática. Trad. de Isabel Marva Loureiro. São Paulo: Brasiliense; 1983.
9. Dallari DA. Anistia e Restauração de Direitos. São Paulo: CBA; 2004.
10. Fausto B. História do Brasil. 8 ed. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2000.
11. Filho JCMS. Dever de memória e a construção da história viva: a atuação da Comissão de Anistia do Brasil na concretização do direito à memória e a verdade. Repressão e Memória Política no Contexto Ibero-brasileiro: estudos sobre Brasil, Guatemala, Moçambique, Peru e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anisita; Portugal: Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Sociais; 2010.
12. ______________. O anjo da história e a memória das vítimas: o caso da ditadura militar no Brasil. UNISINOS. Porto Alegre; 2008.
13. Gonçalves DN. Os múltiplos sentidos da anistia. in Revista Anistia Política e Justiça de Transição, Brasília: Ministério da Justiça, nº 1, p. 272-295, jan./jun; 2009.
14. Human Rights Wacht. Força Letal – Violência policial e Segurança Pública no Rio de Janeiro e em São Paulo. [Acesso em 16/05/2013]. Disponível em: http://www.estadao.com.br/especiais/2009/12/brazil1209ptwebwcover.pdf.
15. Machado, PC. Genealogia de um processo: justiça de transição no Brasil e a reinterpretação da lei da anistia na arguição de descumprimento de preceito fundamental nº. 153. Monografia – Graduação em História da UFRGS. 2011. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/37102/000819585.pdf?sequence=1.
16. Meller DL; Souza IF. Democracia: História, perspectivas e recriação. Direito, Cidadania & Políticas Públicas, VII. Porto Alegre: Imprensa Livre; 2013.
17. Miranda T. “Dos filhos desse solo – mortos e desaparecidos políticos durante a ditadura militar: a responsabilidade do Estado”. São Paulo: Boitempo; 1999.
18. Nascimento L. Comissão da Verdade vai recomendar que agentes respondam na Justiça por crimes na ditadura. Bei. 21 de mar de 2013. [Acesso em 23 mai 2013]. Disponível em: http://www.portalbei.com.br/comissao-da-verdade-vai-recomendar-que-agentes-respondam-na-justica-por-crimes-na-ditadura/
19. Nações Unidas – Conselho de Segurança. O Estado de Direito e a justiça de transição em sociedades em conflito ou pós-conflito. Relatório do Secretário Geral S/2004/606. In: Revista Anistia Política e Justiça de Transição. Brasília; 2009.
20. Oliveira HEC. Um estudo sobre o impacto da decisão do STF na ADPF 153. Monografia – Graduação - Escola de Formação da Sociedade Brasileira de Direito Público, São Paulo; 2010.
21. Remígio RFCastro. Democracia e Anistia Política: rompendo com a cultura do silêncio, possibilitando uma Justiça de Transição. in Revista de Anistia Política e Justiça de Transição - nº 1 (janeiro/junho 2009). Brasília. Ministério da Justiça.
22. Santos CM. Mobilização jurídica, direitos humanos e memória da ditadura. In: Desarquivando a ditadura: memórias e justiça no Brasil. Volume II. São Paulo: Ed Hucitec; 2009.
23. Silva TF. História do Brasil – DOI-CODI. 2011. [Acesso em 16 mai 2013]. Disponível em: http://www.infoescola.com/historia-do-brasil/doi-codi/
24. Streck LL, Bolzan de Moraes JL. Ciência Política e teoria geral do Estado. Porto Alegre: Livraria do Advogado; 2003.
25. Teles JA. Os herdeiros da memória: a luta dos familiares de mortos e desaparecidos políticos no Brasil. Dissertação - Mestrado em História Social, São Paulo, Departamento de História/FFLCH, USP; 2005.
26. Torelly MD. Justiça Transicional, Memória Social e Senso Comum Democrático: notas conceituais e contextualização do caso brasileiro. Repressão e Memória Política no Contexto Ibero-brasileiro: estudos sobre Brasil, Guatemala, Moçambique, Peru e Portugal. Brasília: Ministério da Justiça, Comissão de Anistia; Portugal: Universidade de Coimbra, Centro de Estudos Sociais; 2010.
27. Tropa do Bope canta grito de guerra que faz apologia à violência. Globo News 2013 mar 30. [Acesso em 04 jun 2013]. Disponível em: http://g1.globo.com/globo-news/noticia/2013/05/tropa-do-bope-canta-grito-de-guerra-que-faz-apologia-violencia.html
28. Zyl PV. Promovendo a Justiça Transicional em Sociedades Pós-conflito. Revista de Anistia Política e Justiça de Transição - nº 1 (janeiro/junho 2009). Brasília. Ministério da Justiça.

Downloads

Publicado

2014-12-11

Edição

Seção

Democracia e ditadura no Brasil e na América Latina