Justiça de transição e construção democrática: um olhar sobre o Brasil pós-ditadura militar

Liziane Rodríguez, Luiz Taschetto de Almeida

Resumo


O período de vinte e um anos de ditadura civil-militar no Brasil deixou consequências severas no imaginário social e nas instituições públicas, especialmente no que se refere às práticas antidemocráticas e violadoras de direitos e garantias fundamentais. Estas consequências advêm do fato de que o país não passou por uma transição democrática nos moldes preconizados pela chamada Justiça de Transição. Neste sentido, o presente trabalho tem como principal objetivo traçar um panorama entre o período atual e o período da Ditadura Civil-Militar, trazendo como ponto de discussão, no que se refere à democracia, o amadurecimento do Brasil em relação a este período autoritário. Dessa forma, serão apresentados aspectos da Ditadura e a transição para o atual Estado Democrático de Direito, explicitando os requisitos que o Brasil deveria ter atendido (ou atendeu) para, assim, afirmar os valores democráticos. O método de abordagem utilizado na presente pesquisa foi o hipotético-dedutivo, através do qual se partiu da hipótese de que a democracia brasileira ainda apresenta fragilidades, especialmente em setores como a segurança pública, em razão de o país não ter cumprido as etapas estabelecidas pela justiça de transição. A partir do método de procedimento da pesquisa bibliográfica, e de fontes diretas como noticiários, buscou-se partir de princípios gerais referentes à justiça de transição e, sob esse enfoque, analisar a realidade Brasileira.


Palavras-chave


Democracia; Ditadura Civil-Militar; Justiça de transição.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.