Avaliação Epidemiológica das Incapacidades Físicas em Pacientes com Hanseníase

Autores

  • Thomás Barbosa Mendes FUNORTE

Palavras-chave:

Hanseníase, incidência, epidemiologia

Resumo

A hanseníase é uma doença milenar de caráter infectocontagioso, quando não tratada pode acarretar incapacidades, sendo considerada um problema de saúde pública. Esta pesquisa objetivou descrever o perfil epidemiológico dos casos novos de hanseníase no município de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil, no período de 2002 a 2012. Trata-se de um estudo epidemiológico transversal, descritivo, que utilizou dados disponíveis no site do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Foram registrados, 694 casos novos da doença, com predominância do sexo masculino, a maioria na faixa etária economicamente ativa de 35 a 49 anos. O percentual médio de incapacidade grau I na cura foi de 5,06% e grau II 11,69% dos doentes e a média do coeficiente de detecção da hanseníase foi de 1,79 casos novos a cada 10,000 habitantes com pico máximo em 2003 e declínio a partir de 2009. Observou-se que a magnitude da hanseníase no município foi elevada, no entanto em 2012 ficou abaixo da estimativa do Ministério da Saúde. Ao longo da série houve redução de casos novos que vem caminhando ao longo dos últimos quatro anos com decréscimo do coeficiente de detecção. A redução das incapacidades na cura a sugere que o diagnóstico tardio da doença diminuiu no último ano pesquisado do trabalho.

Biografia do Autor

Thomás Barbosa Mendes, FUNORTE

Departamento de Medicina

Referências

1. BRASIL, Ministério da Saúde . Boletim Epidemiológico: Situação epidemiológica da hanseníase no
Brasil. Secretaria de Vigilância em Saúde, Brasília. 2013; 44(11) - [atualizado em 15 set 2013;
citado em 10 jan 2014]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/profissional-egestor/vigilancia/links-vigilancia/189-boletim-epidemiologico
2. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.669, de 03 de novembro de 2009. Estabelece
as prioridades, objetivos, metas e indicadores de monitoramento e avaliação do Pacto pela Saúde,
nos componentes pela Vida e de Gestão, e as orientações, prazos e diretrizes do seu processo de
pactuação para o biênio 2010 - 2011. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 04 de novembro de
2010 - [atualizado em 4 nov 2010; citado em 10 jan 2014] Disponível em:
http://www.ccs.saude.gov.br/saudemental/legislacao.php.
3. Cohen JM. Ocular leprosy: a historical approach. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. 2009;2(5):
728-733. doi: 10.1590/S0004-27492009000500027
4. Hogeweg M, Keunen JE. Prevention of blindness in leprosy and the role of the Vision 2020
Programme. Eye. 2005;19(10):1099-1105. doi:10.1038/sj.eye.6701984
5. Imbiriba EB, Hurtado-Guerrero JC, Garnel L, Levino A, Cunha, MG, Pedrosa V. Perfil
Epidemiológico da Hanseníase em menores de 15 anos de idade, Manaus,1998-2005. Revista Saúde
Pública. 2008;42(6):1021-1026. doi: 10.1590/S0034-89102008005000056
6. Lana FCF, Davi RFL, Lanza FM, Amaral EP. Detecção da hanseníase e Índice de Desenvolvimento
Humano dos municípios de Minas Gerais, Brasil. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2009; 11(3).
7. Miranzi SSC, Pereira, LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município
brasileiro, no período de 2000 a 2006. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2010;
43(1):62-7. doi: 10.1590/S0037-86822010000100014
8. Monteiro LD. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da
poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2013;29(5). doi:
10.1590/S0102-311X 2013000500009
9. Pucci FH, Teófilo CR, Aragão SGA, Távora LGF. Pain in Hansen's disease patients. Revista Dor.
2011;12(1):15-18. doi:10.1590/S1806-00132011000100004
10. Santo LRE, Teles, LF, Medeiros IA, Silveira MF, Cordeiro SS. Perfil epidemiológico da hanseníase
no município de brasileiro no período de 2005 a 2009. Motricidade. 2012;8(2):212-219
11. Silva Sobrinho RAD, Mathias TADF. Prospects for the elimination of leprosy as a public health
problem in the State of Paraná, Brazil. Caderno de Saúde Pública. 2008;24(2):303-314. doi:
10.1590/S0102-311X2008000200009

Downloads

Publicado

2014-11-06