“Arrancar Inhame”: Entre a Ilegalidade e a Resistência

Autores

  • Marcelo Alario Ennes Universidade Federal de Sergipe, Campus Prof. Alberto de Carvalho, Itabaiana/SE
  • Luanne Michella Bispo Nascimento Universidade Federal de Sergipe, Campus Prof. Alberto de Carvalho, Itabaiana/SE
  • Mônica Santos Oliveira Universidade Federal de Sergipe, Campus Prof. Alberto de Carvalho, Itabaiana/SE

Palavras-chave:

Sustentabilidade, Parque Nacional Serra de Itabaiana, resistência.

Resumo

O presente artigo apresenta resultados de um ano do projeto de pesquisa: Identidade, poder e Meio Ambiente: Parque Nacional Serra de Itabaiana. O objetivo do nosso trabalho foi discutir um impasse atribuído às práticas insustentáveis: de um lado, o não cumprimento da legislação ambiental de proteção do ParNa, e de outro, a garantia da sobrevivência da comunidade afetada que pode ser interpretada como uma forma de resistência ao modelo existente de proteção ambiental. Os povoados objetos de nosso estudo foram o Mundês e o Bom Jardim. Este apresenta 596 habitantes, no qual a maior parte é alfabetizada. Porém, a renda da maioria é inferior a um salário mínimo. A prática econômica predominante é a agrícola. Já o  povoado Mundês possui 889 habitantes e apresenta um índice de alfabetização bem inferior ao do Bom Jardim. Além disso, a renda da maioria de seus moradores gira em torno de três à quatro salários mínimos. Entre as principais atividades econômicas, encontra-se a produção de tijolos e telhas em olarias e cerâmicas. O estudo foi desenvolvido com base em etnografia e técnicas de relatos orais e história de vida. Pelo fato dos povoados localizarem-se entorno de uma área de proteção, suas comunidades tiveram algumas atividades econômicas restringidas, criando assim impasses entre o IBAMA e os moradores desses povoados. Dessa forma, as condições de vida da comunidade diminuíram, pois deixaram de realizar suas principais atividades geradoras de renda e por enquanto não foram indenizados. Contudo, ainda acontece de forma ilegal uma prática insustentável popularmente conhecida como “arrancar inhame”, um código utilizado pelos moradores do Bom Jardim que se trata da extração de pedras na Serra. Tentar modificar os hábitos de qualquer sociedade sem levar em consideração suas peculiaridades identitárias e suas condições de vida pode acarretar no insucesso de tais ações. Por isso, espera-se que o IBAMA, como órgão executor das restrições impostas pelo Parque Nacional Serra de Itabaiana, se atenha a tal questão para conseguir implantar no modo de vida da comunidade a idéia da sustentabilidade. 

Biografia do Autor

Marcelo Alario Ennes, Universidade Federal de Sergipe, Campus Prof. Alberto de Carvalho, Itabaiana/SE


Downloads