Influência da dessecação e déficit hídrico no desenvolvimento inicial de mudas de Tabebuia aurea (Silva Manso) Beth. Gancho. e S. Moore (Bignoniaceae)

Autores

  • Cristianne Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Bruno de Santana Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Marcos Vinicius Meiado Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2022.120201

Palavras-chave:

Morfologia, Desenvolvimento Inicial, Supressão Hídrica

Resumo

Os mecanismos de tolerância à dessecação são um dos principais fatores relacionados à capacidade de sobreviver às condições de déficit hídrico impostas pelo estresse abiótico. Assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a tolerância à dessecação e a influência do déficit hídrico no desenvolvimento inicial de mudas de Tabebuia aurea (Silva Manso) Benth. & Hook.f. ex S. Moore. As plântulas foram divididas em dois tratamentos o controle e as que foram submetidas a 50% de dessecação. Os grupos controles receberam água diariamente em um período de 30 dias, enquanto os grupos que passaram pelo déficit hídrico tiveram suspensão hídrica por 14 dias, totalizando dois ciclos de déficit hídrico em um período de 30 dias. Os resultados deste estudo indicam que mudas de T. aurea sobrevivem à dessecação e apresentam menor desenvolvimento, seja do caule, raízes, número de folhas, diâmetro do caule quando submetidas à dessecação e consequente déficit hídrico. Assim, esses resultados indicam que a redução no desenvolvimento inicial está relacionada à percepção e atenuação das condições estressantes impostas pelo ambiente abiótico durante o desenvolvimento.

Downloads

Publicado

2023-01-17

Como Citar

Santos, C., de Santana Santos, B. ., & Vinicius Meiado, M. . (2023). Influência da dessecação e déficit hídrico no desenvolvimento inicial de mudas de Tabebuia aurea (Silva Manso) Beth. Gancho. e S. Moore (Bignoniaceae). Scientia Plena, 18(12). https://doi.org/10.14808/sci.plena.2022.120201