Potencial bioativo, antioxidante e antimicrobiano do extrato aquoso do processo de extração do óleo essencial de folhas de Croton blanchetianus Baill

Autores

  • Elayne Cardoso de Vasconcelos Universidade Federal de Santa Catarina
  • Maria Jaiana Gomes Ferreira Universidade Federal do Ceará
  • Rayanne Clecia de Sousa Menezes Universidade Federal do Ceará
  • Celli Rodrigues Muniz Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) - Embrapa Agroindústria Tropical
  • Larissa Morais Ribeiro da Silva Universidade Federal do Ceará
  • Evânia Altina Teixeira de Figueiredo Universidade Federal do Ceará
  • Gláucia Maria Falcão de Aragão Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2021.121501

Palavras-chave:

marmeleiro, bactérias patogênicas, microscopia eletrônica de transmissão

Resumo

O Croton blanchetianus Baill, conhecido como marmeleiro, é rico em metabólitos secundários, como alcalóides e terpenos, que podem apresentar efeitos biológicos. Desta forma, este estudo teve como objetivo avaliar o potencial bioativo, antioxidante e antimicrobiano dos extratos aquosos resultantes do processo de extração do óleo essencial das folhas frescas e secas do C. blanchetianus. O óleo essencial foi extraído por hidrodestilação e posteriormente o extrato aquoso foi coletado e liofilizado, sendo submetido às análises. A determinação da Concentração Inibitória Mínima e Concentração Bactericida Mínima contra bactérias patogênicas de interesse em alimentos (Staphylococcus aureus, Listeria monocytogenes, Salmonella Enteritidis e Escherichia coli) foi realizada pelo método de microdiluição. O efeito dos extratos aquosos sobre as células bacterianas foi avaliado por imagens de microscopia eletrônica de transmissão. A avaliação da atividade antioxidante foi determinada pelo método ABTS e DPPH. O extrato aquoso das folhas frescas apresentou maiores teores de flavonoides e atividade antioxidante por ABTS em comparação com o extrato de folhas secas. Os compostos fenólicos, taninos e a atividade antioxidante pelo método DPPH não diferiram significativamente entre ambos os tipos de folhas. Ambos os extratos aquosos apresentaram atividade antimicrobiana apenas sobre as bactérias Gram-positivas (S. aureus e L. monocytogenes). Foram observadas alterações celulares em S. aureus e L. monocytogenes sob ação do extrato aquoso de folhas frescas e secas. Os resultados indicam a possibilidade de utilização do extrato aquoso das folhas secas de C. blanchetianus como aditivo bioativo e para melhoria da segurança de alimentos, no que diz respeito às bactérias Gram-positivas.

Downloads

Publicado

2022-01-14