Somatótipo, componentes da aptidão física e níveis de atividade física em crianças

Autores

  • Saturnino Tavares Neto Programa de Pós-Graduação em Educação Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Sergipe/PPGEF
  • Fernanda Karina dos Santos Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa
  • Mariana Calábria Lopes Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa
  • Elenice de Sousa Pereira Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa
  • Mabliny Thuany Programa de Pós Graduação em Educação Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Sergipe/PPGEF
  • Thayse Natacha Queiroz Ferreira Gomes Programa de Pós Graduação em Educação Física, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Sergipe/PPGEF

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2021.012801

Palavras-chave:

somatótipo, aptidão física, atividade física

Resumo

O objetivo do presente trabalho foi verificar a relação entre diferentes componentes do somatótipo com atividade física e componentes da aptidão física em crianças de 6 a 11 anos de idade. A amostra foi composta por 173 crianças de ambos os sexos (96 meninos, 77 meninas), com idades entre 6 e 11 anos, matriculadas no ensino Fundamental I. Foram obtidas informações sobre a estatura, peso corporal, somatótipo (endomorfia, mesomorfia e ectomorfia), atividade física e aptidão física (força de membros superiores e inferiores, flexibilidade, agilidade, força isométrica, velocidade, resistência abdominal e aptidão cardiorrespiratória). Modelos de regressão logística foram construídos para a associação entre as componentes do somatótipo com níveis de atividade física e componentes da aptidão física, considerando p<0,05. Foi observada uma associação significativa entre idade e atividade física das crianças, sendo a mesma direta quando considerada a atividade física durante a semana, e inversa quando considerada a atividade física no fim de semana. Relativamente às componentes da aptidão física, a idade também se mostrou significativamente associada às mesmas (exceto para força muscular de membros superiores); dentre as componentes do somatótipo, a endomorfia esteve inversamente associada a menores chances de as crianças apresentarem melhores resultados nos testes de resistência abdominal, velocidade, força explosiva de membros inferiores, e aptidão cardiorrespiratória. Os resultados salientam a relação inversa entre uma maior componente endomórfica e componentes da aptidão física, o que pode ser relevante quando se planejam estratégias de intervenções que visem melhoras na saúde de crianças, atuando sobre as diferentes componentes somatotípicas.

Downloads

Publicado

2021-02-24