Amebas testáceas (Arcellinida e Euglyphida) em dois biótopos de um corpo aquático temporário contaminado por dejetos orgânicos: novas ocorrências para o estado da Bahia

Lanna Jéssica Gomes da Silva, Márcio Borba da Silva, Ricardo Evangelista Fraga, Matheus Santos dos Anjos, Cínthya Viana Souza Rocha, Stefânia Pereira Santos, Mariane Amorim Rocha

Resumo


Lagoas temporárias são ambientes efêmeros pouco estudados. O objetivo deste trabalho foi inventariar a comunidade de amebas testáceas encontradas em dois biótopos (plâncton e perifíton) de um corpo aquático temporário contaminado por dejetos orgânicos. As coletas foram realizadas entre junho e setembro de 2018 na Fazenda Periperi, Vitória da Conquista, Bahia. Foram coletadas 51 amostras planctônicas e 12 perifíticas. As análises físico-químicas foram realizadas in situ e as bacteriológicas em laboratório através do kit Colilert®. A água deste ambiente é alcalina, com elevados valores de temperatura, sólidos totais dissolvidos e condutividade elétrica. Apresentou baixos teores de oxigênio dissolvido e transparência, refletindo a elevada biomassa fitoplanctônica presente. Os valores de coliformes totais e termotolerantes demonstraram contaminação fecal na água. Foram registrados 32 taxa de amebas testáceas distribuídos em 11 gêneros e oito famílias. A maior riqueza foi registrada no plâncton (23 taxa), seguido de Pistia sp. e Salvinia sp. (18 taxa cada). As famílias encontradas no plâncton foram Difflugiidae, Arcellidae, Centropyxidae, Cryptodifflugiidae, Netzeliidae e Trigonopyxidae, e nas macrófitas foram Difflugiidae, Lesquereusiidae, Netzeliidae e Euglyphidae. Seis espécies constituem primeiras ocorrências para o estado da Bahia: Arcella costata, Ciclopyxis arcelloides, Difflugia dragana, D. gigantea, D. kabylica e D. helvetica. Com o desaparecimento das macrófitas, houve intercambio espacial das espécies Centropyxis hirsuta, D. kabylica e Pentagonia maroccana para o plâncton, evidenciando a plasticidade destes organismos em ocupar ambientes eutrofizados, instáveis e sazonais, tolerando contaminação fecal.


Palavras-chave


Lagoa temporária, tecamebas, nordeste

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14808/sci.plena.2020.068001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Lanna Jéssica Gomes da Silva, Márcio Borba da Silva, Ricardo Evangelista Fraga, Matheus Santos dos Anjos, Cínthya Viana Souza Rocha, Stefânia Pereira Santos, Mariane Amorim Rocha

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.