Estudo sobre a influência da espessura e glandularidade da mama na dose glandular média em exames de tomossíntese

Camila Engler, Márcia Regina Pereira Attie, Lucas Paixão Reis, Maria do Socorro Nogueira

Resumo


A dose glandular média (DGM) é a grandeza dosimétrica utilizada para estimar a dose de radiação à qual uma paciente é exposta ao realizar um exame de mamografia. Este estudo tem como objetivo verificar a relação entre espessura da mama comprimida (EMC) e a densidade volumétrica da mama (DVM) com a DGM, assim como a  relação da EMC e idade da paciente com a DVM. As imagens de tomossíntese mamária de 660 pacientes foram analisadas usando o software Volpara. A partir dessa análise, obteve-se a DVM e a DGM. A idade do paciente e EMC foram obtidas do cabeçalho DICOM das imagens. Utilizando o software estatístico SPSS, foram realizados testes de correlação entre a EMC e DVM com a DGM e entre a EMC e idade da paciente com a DVM. Para as correlações entre DVM e DGM, a grandeza EMC foi fixada de 10 em 10 mm. As correlações foram analisadas através  dos coeficientes de correlação (r). Na relação entre DGM e EMC foi obtido r =  0,696. Para a relação DGM e DVM, a melhor correlação foi encontrada na faixa de 60 < EMC < 70 com r = 0,616. As correlações entre idade da paciente e EMC com DVM apresentaram r = -0,432 e r = -0,338, respectivamente. Os resultados mostram que a EMC é o fator mais relacionado ao aumento da DGM enquanto que a  DVM é ligeiramente mais afetada pela idade da paciente do que pela EMC.


Palavras-chave


Mamografia, Dose Glandular Média, Densidade Volumétrica da Mama.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2019.126001

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Camila Engler, Márcia Regina Pereira Attie, Lucas Paixão Reis, Maria do Socorro Nogueira

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.