Moluscos biválvios do Cretáceo Superior da Bacia de Sergipe: um estudo da seção turoniana Pedro Gonçalves

Emmanuel Franco Neto, Edilma de Jesus Andrade, Mateus do Nascimento Santana, Handrei Felipe Santos Lima

Resumo


A Bacia de Sergipe apresenta uma sucessão estratigráfica completa e rica fauna fóssil. No intervalo Cenomaniano Superior, um grande evento transgressivo proporcionou a instalação da Formação Cotinguiba (Cretáceo Superior), caracterizada pela deposição de um conjunto de rochas carbonáticas com gênese associada à um ambiente deposicional de rampa. Litologicamente, calcilutitos e margas proximais representam o Membro Sapucari, enquanto folhelhos distais marcam o Membro Aracaju, nestas rochas os moluscos biválvios são abundantes. Este trabalho tem como principal objetivo identificar e descrever sistematicamente os moluscos da classe Bivalvia da seção Pedro Gonçalves, Formação Cotinguiba, Cretáceo Superior de Sergipe. A área de estudo está localizada entre os municípios de Rosário do Catete e General Maynard, Sergipe. O material de estudo é constituído de 238 exemplares de moluscos biválvios provenientes da localidade Pedro Gonçalves. Foram identificados 27 táxons, distribuídos em 19 gêneros e 14 famílias: Cucullaeidae, Pinnidae, Inoceramidae, Plicatulidae, Pectinidae, Ostreidae, Gryphaeidae, Cardiidae, Dicerocardiidae, Corbulidae, Pholadomyidae, Pleuromyidae e Poromyidae. A seção é posicionada no intervalo Turoniano médio baseada na fauna de biválvios inoceramídeos


Palavras-chave


Paleontologia, Sistemática, Formação Cotinguiba

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2019.095301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Emmanuel Franco Neto, Edilma de Jesus Andrade, Mateus do Nascimento Santana, Handrei Felipe Santos Lima

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.