Flutuação temporal de cianotoxinas (Microcistina) no rio Tapajós (Santarém, Amazônia-Brasil)

Sâmea Cibele Freitas da Silva, José Reinaldo Pacheco Peleja, Sérgio Melo

Resumo


O relato de produção de microcistinas tem aumentado nas últimas décadas e é um problema preocupante em diversos ambientes aquáticos naturais e antropizados, em especial nos lênticos. Poucos são os relatos de presença de cianotoxinas em ambientes lóticos, entre estes está o registro no rio Tapajós. O presente estudo teve por objetivo analisar a ocorrência de microcistina em amostras de água coletadas em escala quinzenal no rio Tapajós (Santarém, PA, Brasil) em uma região de recreação ao longo de um ciclo anual. A concentração de microcistina foi quantificada pelo método Imunológico-ELISA. Ao longo do estudo foram registradas a ocorrência de 11 táxons de cianobactérias, sendo Microcystis, Dolichospermum e Planktothrix os gêneros que apresentam espécies potencialmente produtoras de cianotoxinas. A presença de microcistina foi constatada em todo o período amostrado e sua concentração máxima esteve associada à presença de espécies do gênero Microcystis sp. Embora os valores constatados sejam inferiores aos considerados como limite para o uso recreativo, a ocorrência de gêneros de cianobactérias, potencialmente produtores de cianotoxinas, e o fato da detecção de microcistina em todo o período de estudo, torna-se importante os estudos sobre este grupo de microrganismos no rio Tapajós. Temporalmente, não foi constatado diferenças significativas dos níveis de microcistina em relação ao regime pluviométrico e ao pulso de inundação.


Palavras-chave


Cianobacterias; Amazônia; ambiente lótico

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2019.082402

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Sâmea Cibele Freitas da Silva, José Reinaldo Pacheco Peleja, Sérgio Melo

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.