Caracterização do Geossítio Toca das Onças no município de Jacobina, Bahia, Brasil

Autores

  • André Vieira Araújo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO & SOCIEDADE ESPELEOLÓGICA AZIMUTE
  • Estevan Eltink Nogueira UNIVASF/ SEA
  • Sérgio Magarão de Figueiredo junior UFBA
  • Thiago mattos Espirito Santo Sociedade Espeleológica Azimute
  • Emerson Moreira Cajado UNEB/ SEA

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2018.125302

Palavras-chave:

inventariação, geodiversidade, Toca das Onças

Resumo

A Toca das Onças tem se destacado na literatura científica por suas notáveis contribuições paleontológicas e arqueológicas, todavia poucas informações são conhecidas sobre o contexto socioeconômico e ambiental onde a mesma esta inserida. Diante disso, foram levantadas informações espeleológicas, culturais e turísticas, utilizando critérios de inventariação do patrimônio geológico, objetivando caracterizar a cavidade como geossítio a partir da quantificação e valoração dos elementos da geodiversidade. Os resultados da inventariação permitiu caracterizar o sítio como de alto valor científico e com baixo valor turístico, devido principalmente, à falta de infraestrutura e de acessibilidade. A partir destes resultados espera-se em trabalhos futuros a elaboração de propostas que estimulem o setor turístico no local e consequentemente programas com ações voltadas para a geoconservação do geossítio.

Biografia do Autor

André Vieira Araújo, INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO & SOCIEDADE ESPELEOLÓGICA AZIMUTE

BIÓLOGO, MESTRE EM GEOLOGIA AMBIENTAL E ATUANTE NOS TEMAS DE ESPELEOLOGIA E PALEONTOLOGIA

Estevan Eltink Nogueira, UNIVASF/ SEA

Graduado em Ciências Biológica (Licenciatura e Bacharelado) (2006) pela Universidade Estadual de Londrina. Mestrado (2007-2009) e Doutorado (2010-2014) em Ciências pelo programa de pós-graduação em Biologia Comparada da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/USP. Tem experiência na área de paleontologia, trabalhando especificamente com sistemática, paleoecologia, distribuição estratigráfica e biogeografia.

Sérgio Magarão de Figueiredo junior, UFBA

Estudante do curso de Geografia da Universidade Federal da Bahia - UFBa. Engenheiro Mecânico formado pela Universidade Federal da Bahia - UFBa. Técnico em Meio Ambiente formado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI - CETIND). Técnico em Edificações formado pelo Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia (CEFET - Ba). Tem experiência na área de manutenção industrial e obras de grande porte com atuação no Polo Industrial de Camaçari.

Thiago mattos Espirito Santo, Sociedade Espeleológica Azimute

Graduação em Administração pela Universidade Federal do Vale do São Francisco. Espeleólogo desde 2014.

Emerson Moreira Cajado, UNEB/ SEA

  1. Graduação em Administração pela FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA, Brasil(2013)/ estudante de geografia da Universidade do Estado da Bahia.

Downloads

Publicado

2019-01-21

Edição

Seção

IV Encontro Nordestino de Espeleologia