Dinâmica populacional de doze espécies arbóreas de diferentes grupos ecológicos em um trecho de Floresta Ombrófila Densa Submontana

Silvana Cristina Pereira Muniz de Souza, Flavio Antonio Mäes dos Santos, Ricardo Ribeiro Rodrigues, Carlos Alfredo Joly

Resumo


Estudos de dinâmica populacional podem contribuir na classificação das espécies em grupos ecológicos. O presente estudo teve como objetivo descrever a dinâmica populacional de 12 espécies arbóreas de diferentes grupos ecológicos e verificar se espécies com diferentes capacidades de tolerância à sombra diferem quanto à taxa de mortalidade, taxa de recrutamento e ao crescimento em altura e diâmetro. A área de estudo localiza-se na região sul do estado de São Paulo, município de Sete Barras, no interior do Parque Estadual de Carlos Botelho, em uma parcela permanente de 10 ha. Sorteamos 25 subparcelas de 20 x 20 m, onde foram realizadas duas amostragens dos indivíduos com altura ≥ 3 cm. A taxa de mortalidade foi menor para as espécies clímax de subosque, e apenas duas espécies deste grupo apresentaram incremento populacional, Inga marginata (0,04) e Rudgea jasminoides (0,05), já as espécies secundárias iniciais e de dossel apresentaram um contínuo de respostas. A taxa de recrutamento e o crescimento em altura e diâmetro não diferiram entre as espécies com diferentes níveis de tolerância à sombra.
Estudos de dinâmica populacional podem contribuir na classificação das espécies em grupos ecológicos. O presente estudo teve como objetivo descrever a dinâmica populacional de 12 espécies arbóreas de diferentes grupos ecológicos e verificar se espécies com diferentes capacidades de tolerância à sombra diferem quanto à taxa de mortalidade, taxa de recrutamento e ao crescimento em altura e diâmetro. A área de estudo localiza-se na região sul do estado de São Paulo, município de Sete Barras, no interior do Parque Estadual de Carlos Botelho, em uma parcela permanente de 10 ha. Sorteamos 25 subparcelas de 20 x 20 m, onde foram realizadas duas amostragens dos indivíduos com altura ≥ 3 cm. A taxa de mortalidade foi menor para as espécies clímax de subosque, e apenas duas espécies deste grupo apresentaram incremento populacional, Inga marginata (0,04) e Rudgea jasminoides (0,05), já as espécies secundárias iniciais e de dossel apresentaram um contínuo de respostas. A taxa de recrutamento e o crescimento em altura e diâmetro não diferiram entre as espécies com diferentes níveis de tolerância à sombra.

Palavras-chave


dinâmica de populações, grupos ecológicos, tolerância à sombra

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2018.052401

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Silvana Cristina Pereira Muniz de Souza, Flavio Antonio Mäes dos Santos, Ricardo Ribeiro Rodrigues, Carlos Alfredo Joly

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.