Química mineral dos granitos leucocráticos do Stock Lagoa de Dentro, Sul da Província Borborema, Nordeste do Brasil

Autores

  • Fábio Santos Pereira Universidade Federal de Sergipe http://orcid.org/0000-0002-8496-6501
  • Joane Almeida Conceição Universidade Federal da Bahia
  • Maria de Lourdes Silva Rosa Universidade Federal de Sergipe
  • Herbet Conceição Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2017.075301

Palavras-chave:

Stock Lagoa de Dentro, Granito, Química Mineral

Resumo

Corpos leucograníticos relacionados ao Ciclo Brasiliano apresentam ampla distribuição no Sistema Orogênico Sergipano, localizado no setor extremo sul da Província Borborema. O Stock Lagoa de Dentro (SLD) é um representante desse magmatismo, que intrude as rochas metassupracrustais do Domínio Macururé, na porção centro-norte do estado de Sergipe. Trata-se de uma intrusão com cerca de 13 km2 de área aflorante, constituída por monzogranitos e álcali-feldspato granitos à duas micas. Neste artigo são apresentados e discutidos dados químicos dos principais minerais identificados nas rochas do SLD. Os feldspatos são homogêneos em composição e geralmente ocorrem como fases puras de ortoclásio (Or92-97) e albita (An1-7). A mica dioctaédrica possui composição intermediária entre muscovita e celadonita, dada pela substituição de VIAl por Fe+Mg nos sítios octaédricos, acompanhada pela substituição de IVAl por Si nas posições tetraédricas. A biotita é ferrosa e mostra sinais de reequilíbrio, refletindo variados graus de cloritização e oxidação observados nos estudos petrográficos. Em diagramas de associações magmáticas, a biotita exibe afinidade com as suítes graníticas peraluminosas e caráter transicional entre as séries Cálcio-Alcalina e Alumino-Potássica. O epídoto (Ps18-24) é aluminoso e ocorre como um mineral primário, cristalizado precocemente, e como produto de alteração hidrotermal de plagioclásio. A apatita corresponde a fluorapatita (FAp51-82) e o zircão possui assinatura de granitos anatéticos, derivados de fontes crustais (Zr/Hf~30). As composições da ilmenita mostram-se enriquecidas nas moléculas de pirofanita (Php3-14) e ecandrewsita (Ec1-20) e sugerem que o SLD se cristalizou a partir de um magma com baixa fugacidade de oxigênio.

Biografia do Autor

Fábio Santos Pereira, Universidade Federal de Sergipe

 http://lattes.cnpq.br/5599168375844170

Joane Almeida Conceição, Universidade Federal da Bahia

http://lattes.cnpq.br/5249949263875111

Maria de Lourdes Silva Rosa, Universidade Federal de Sergipe

http://lattes.cnpq.br/9814085660417748

Herbet Conceição, Universidade Federal de Sergipe

http://lattes.cnpq.br/2568138158987690

Downloads

Publicado

2017-09-05

Edição

Seção

Artigos