Indicadores de monitoramento da restauração na Floresta Atlântica e atributos para ecossistemas restaurados

Renata Evangelista de Oliveira, Vera Lex Engel

Resumo


O objetivo deste estudo foi propor e avaliar um conjunto de indicadores, a possibilidade de seu uso efetivo e a validação por atores sociais envolvidos nos processos de avaliação da restauração da Floresta Atlântica brasileira, em diferentes fases. Com base em revisão de literatura, os indicadores foram listados e encaminhados aos atores identificados em diversos estados e em diversas instituições brasileiras. Foi solicitado a eles avaliar a importância dos indicadores listados (variando de 0 a 3) em diferentes estágios da restauração florestal (inicial = 2 a 3 anos, curto prazo = 10 anos, médio prazo = 10 a 50 anos, longo prazo = mais de 50 anos). Foi elaborada uma lista com 52 indicadores, especificamente para a avaliação de projetos de restauração florestal via plantio de mudas. Os indicadores foram categorizados em físicos e estruturais, de biodiversidade, de serviços ambientais, de processos ecológicos, econômicos e sociais. A maioria dos indicadores listados refere-se a aspectos ecológicos do processo de restauração. Sete dos nove atributos de ecossistemas restaurados propostos pela Sociedade Internacional para Restauração Ecológica são contemplados pelos indicadores listados nesta pesquisa.


Palavras-chave


Restauração florestal; Indicadores de monitoramento; Sociedade Internacional para Restauração Ecológica.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14808/sci.plena.2017.127301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Renata Evangelista de Oliveira, Vera Lex Engel

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.