Regeneração natural de um fragmento florestal na região semiárida do Piauí

Autores

  • Milton Marques Fernandes Universidade Federal de Sergipe
  • Tiago Moreira Oliveira Nucleo de regularização ambiental de Ituiutaba, SEMAD-MG
  • Márcia Rodrigues de Moura Fernandes Universidade Federal do Espirito Santo

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2017.021701

Palavras-chave:

desertificação, recuperação de áreas degradadas, fitossociologia

Resumo

O trabalho teve como objetivo avaliar a estrutura fitossociológica do componente lenhoso regenerante em um fragmento florestal no município de Gilbués - PI. No fragmento florestal de aproximadamente 30 ha, as 10 parcelas de 20 x 50m (1000 m2), foram alocadas 10 sub-parcelas 25 m2 para avaliar a regeneração natural, sendo amostrados todos os indivíduos com circunferência na altura da base < 15cm e nas seguintes classes de altura: 1) 0,30 m ≤ H ≤ 1,0 m; 2) 1,1 m ≤ H ≤ 2; 3) 2,1 m ≤ H ≤ 3. Baseado nos resultados obtidos, as espécies Aspidosperma cuspa S.F. Blake ex Pittier, Myracroduon urundeuva Allemão, Jacaranda brasiliana (Lam.) Pers, Lonchocarpus muehlbergianus Hassl, Astronium fraxinifolium Schott. e Tabebuia aurea Benth. & Hook. deverá ser as espécies que irão compor o extrato arbóreo ao longo do tempo. A Aspidosperma cuspa S.F. Blake ex Pittier é recomendada para enriquecimento de reflorestamento para áreas desertificadas no nordeste do Brasil por ser uma espécie não pioneira e apresentar maior número de indivíduos, valor de importância e regeneração natural total.

Downloads

Publicado

2017-03-07