Avaliação da fragmentação da cobertura arbórea de Maringá/PR utilizando geotecnologias

Autores

  • Flávio Henrique Mendes Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo
  • Felipe Coelho de Souza Petean Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo
  • Jefferson Lordello Polizel Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo
  • Demóstenes Ferreira da Silva Filho Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.090201

Palavras-chave:

arborização urbana, conectividade, ecologia da paisagem

Resumo

A cobertura arbórea urbana desempenha um papel fundamental na manutenção do equilíbrio ambiental nas cidades. O uso de recursos e ferramentas gratuitas, que auxiliem os tomadores de decisão no planejamento e manejo das florestas urbanas, é uma tendência que deve ser incentivada. O objetivo deste trabalho foi avaliar a fragmentação e conectividade da cobertura arbórea urbana da cidade de Maringá/PR, por meio da aplicação do complemento LecoS de ecologia de paisagem, utilizando como base imagens e programas gratuitos. Para a extração das classes de uso e ocupação do solo, imagens RapidEye dos anos de 2012 e 2013 foram recortadas tomando como base a mancha urbana do município, e, em seguida, submetidas à classificação supervisionada. No programa livre Quantum GIS, aplicou-se a função Effective Mesh Size (meff) do complemento de ecologia de paisagens LecoS, a fim de obter as porcentagens de fragmentação da cobertura arbórea com base na área total da classe. Observou-se que a cobertura arbórea urbana de Maringá reduziu 11,4% entre 2012 e 2013 (de 14,9% para 13,2%), muito provavelmente devido ao manejo da vegetação (supressão). No entanto, a conectividade entre os fragmentos aumentou de 0,4% para 16,8% no mesmo período, indicando que lacunas na cobertura arbórea estão se fechando, tornando-a mais homogeneamente distribuída. Demais variações encontradas nas imagens são devidas à qualidade e à resolução espacial. É desejável que a cobertura arbórea esteja distribuída igualmente no tecido urbano, para que um número maior de habitantes desfrute dos benefícios trazidos pelas árvores às cidades.

Biografia do Autor

Flávio Henrique Mendes, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo

http://lattes.cnpq.br/3191612135327796

Felipe Coelho de Souza Petean, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo

http://lattes.cnpq.br/5766878830725394

Jefferson Lordello Polizel, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo

http://lattes.cnpq.br/9499271579156532

Demóstenes Ferreira da Silva Filho, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de São Paulo

http://lattes.cnpq.br/5014853015770776

Downloads

Publicado

2016-09-27

Como Citar

Mendes, F. H., Petean, F. C. de S., Polizel, J. L., & Silva Filho, D. F. da. (2016). Avaliação da fragmentação da cobertura arbórea de Maringá/PR utilizando geotecnologias. Scientia Plena, 12(9). https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.090201