Configuração dos remanescentes florestais em uma área da Mata Atlântica do nordeste do Brasil: orientando medidas de conservação em escala municipal

Autores

  • Erivelton Rosário do Nascimento Universidade Federal de Sergipe
  • Jucileide Lima Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Sidney Feitosa Gouveia Universidade Federal de Sergipe http://orcid.org/0000-0003-4941-7440

DOI:

https://doi.org/10.14808/sci.plena.2016.081001

Palavras-chave:

Mata Atlântica, ecologia de paisagem, tipologias florestais

Resumo

A tomada de decisões para o manejo e conservação florestal em escalas locais (e.g., municípios) permite envolver a comunidade e atores diretamente ligados ao uso de recursos naturais. Quando informações detalhadas sobre alvos de conservação (e.g., espécies ameaçadas) são escassas, uma alternativa é utilizar parâmetros espaciais em escala de paisagem para orientar a tomada de decisão em escala local. Neste estudo, utilizamos o município de Umbaúba, localizado no sul do Estado de Sergipe, Brasil, e um dos principais consumidores de produtos energéticos florestais do estado, para avaliar a configuração dos remanescentes florestais em escala de paisagem, a fim de contribuir para a tomada de decisões de conservação e manejo dos remanescentes no município. Utilizando um mapa dos fragmentos florestais do município (64,9 metros de resolução), analisamos um conjunto métricas de paisagem, incluindo quantidade de cobertura, forma e conectividade. Identificamos 35 (5,03 km2) fragmentos de três tipologias de florestas estacionais: arbustiva, arbustivo-arbórea e arbórea. Em geral, os remanescentes são pequenos, irregulares e com baixos índices de conectividade, típicos de áreas altamente fragmentadas. Apesar da baixa condição florestal, a classe arbórea teve a maior cobertura, incluindo o remanescente com maiores tamanho e conectividade (conhecido como Mata do Escôncio). Além de ser o maior fragmento de Umbaúba, ele se estende ao município de Indiaroba, formando um remanescente de maior tamanho (5,44 km2). Além disso, este remanescente abriga espécies ameaçadas de extinção como o macaco-guigó (Callicebus coimbrai) e a nascente do rio Indiaroba, com importância para a manutenção de serviços ecossistêmicos locais.

Biografia do Autor

Erivelton Rosário do Nascimento, Universidade Federal de Sergipe

http://lattes.cnpq.br/0240000160453230

Jucileide Lima Santos, Universidade Federal de Sergipe

http://lattes.cnpq.br/7333672217875814

Sidney Feitosa Gouveia, Universidade Federal de Sergipe

http://lattes.cnpq.br/0211989117783560

Downloads

Publicado

2016-07-31

Edição

Seção

III Congresso Sergipano de Ciência