Comunidades ribeirinhas e palmeiras no município de Abaetetuba, Pará, Brasil.

Autores

  • Carolina Mesquita Germano Universidade do Estado do Pará
  • Flávia Cristina Araújo Lucas Universidade do Estado do Pará
  • Ana Cláudia Caldeira Tavares Martins Universidade do Estado do Pará
  • Patrícia Homobono Brito de Moura Universidade do Estado do Pará
  • Gerciene de Jesus Miranda Lobato Universidade do Estado do Pará

Palavras-chave:

Arecaceae, Etnobotânica, Conhecimento Tradicional

Resumo

O conhecimento das espécies de Arecaceae e das diversas formas de uso por comunidades tradicionais torna-se necessário devido ao valor econômico e sociocultural que representam para esses povos. Esta pesquisa objetivou realizar um estudo etnobotânico das palmeiras em duas comunidades ribeirinhas do município de Abaetetuba-Pará, avaliando sua importância para subsistência bem como valor econômico e sociocultural. Os dados foram coletados por meio de observação participante, entrevistas semiestrutaradas, listagem livre e indução não específica com 63 moradores de duas comunidades ribeirinhas do município de Abaetetuba, Pará. Os dados foram analisados qualitativa e quantitativamente, com intuito de estimar a importância das espécies de palmeiras e o consenso de uso entre os informantes. Na análise quantitativa foram calculados os índices de diversidade total de espécies (SDtot), equitabilidade total das espécies (SEtot), valor de importância (IVs), valor de diversidade de uso (UDs), valor de consenso de uso (UCs) e índice de saliência. As 22 espécies identificadas foram distribuídas em oito categorias de uso, com destaque para alimentação, construção e comércio, principalmente de frutos e utensílios. Attalea maripa (Aubl.) Mart. (inajá), Euterpe oleracea Mart. (açaí), Manicaria saccifera Gaertn. (palheira), Mauritia flexuosa L.f. (miriti) e Raphia taedigera (Mart.) Mart. (jupati), obtiveram maiores índices de diversidade de uso. O açaí foi a espécie de maior valor para os moradores, confirmando a hipótese de que o uso de palmeiras é influenciado principalmente pela importância social, cultural e econômica que uma espécie representa para os moradores e não está relacionada com o número de usos que a mesma apresenta.

Biografia do Autor

Carolina Mesquita Germano, Universidade do Estado do Pará

Graduada no Curso de Licenciatura Plena em Ciências Naturais - Química pela Universidade do Estado do Pará (2011) e Mestre em Ciências Ambientais (2014) pela mesma Universidade.

Flávia Cristina Araújo Lucas, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Ciências Biológicas.

Docente do curso de Pós Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Estado do Pará.

Ana Cláudia Caldeira Tavares Martins, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Botânica.

Docente do curso de Pós Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Estado do Pará.

Patrícia Homobono Brito de Moura, Universidade do Estado do Pará

Graduação em Lic. Plena em Ciências Naturais - Hab. Química.

Mestre em Ciências Ambientais pela Universidade do Estado do Pará

Gerciene de Jesus Miranda Lobato, Universidade do Estado do Pará

Licenciada em Química pela Universidade Federal do Pará.

Discente do Programa de Pós Graduação em Ciências Ambientais da Universidade do Estado do Pará.

Referências

1. Souza, V.C.; Lorenzi, H. Arecaceae. 2008. In: Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2 ed. Nova Odessa, São Paulo: Instituto Plantarum. p. 164-175.
2.Lorenzi, H.; Hahn, F.; Noblick, L.R.; Ferreira, E. Flora Brasileira: Arecaceae (palmeiras). Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, 2010.
3.Leitman, P.; Henderson, A.; Noblick, L.; Martins, R.C. 2013. Arecaceae. In Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em:<http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/listaBrasil/FichaPublicaTaxonUC/FichaPublicaTaxonUC.do?id=FB53>. Acesso em: 13 mar 2013.
4.Vormisto, J. Palms as rainforest resources: how evenly are they distributed in Peruvian Amazonia? Biodivers Conserv., 2002 (11): 1025-1045.
5.Clement, C.R.; Lleras Pérez, E.; Van Leeuwen, J. O potencial das palmeiras tropicais no Brasil: acertos e fracassos das últimas décadas. Agrociencias, 2005 (9): 67-71.
6.Plotkin, M.J.; Balick, M.J. Medicinal uses of South American Palms. Journal of Ethnopharmacology. 1984 (10): 157-179.
7.Balick, M.J. 1984. Ethnobotany of palms in Neotropics. Advances in Econ. Bot. 1984 1 (23).
8.Manzi, M.; Coomes, O.T. Managing Amazonian palms for community use: A case of aguaje palm (Mauritia flexuosa) in Peru. Forest Ecologyand Management. 2009 (257): 510–517.
9.Nascimento, A.R.T.; Santos, A.A. dos; Martins, R.C.; Dias, T.A.B. Comunidade de palmeiras no território indígena Krahò, Tocantins, Brasil: biodiversidade e aspectos etnobotânicos. Interciência, 2009 (34).
10.De La Torre, L.; Calvo-Irabién, L.M.; Salazar, C.; Balslev, H.; Borchsenius, F. Contrasting palm species and use diversity in the Yucatan Peninsula and the Ecuadorian Amazon. Biodivers Conserv, 2009 (18): 2837–2853.
11.Balick, M.J. Palmas Neotropicales: nuevas fuentes de aceites comestibles. Interciência, 1982 7(1): 25-29.
12.Jardim, M.A.G.; Cunha, A.C. da C. 1998. Uso de palmeiras em uma comunidade ribeirinha do estuário amazônico. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Bot. 1998 (14): 69-77.
13.Jardim, M. A. G.; Santos, Gideão C dos; Medeiros, Tonny David Santiago ; Francez, Daniel da Costa. Diversidade e estrutura de palmeiras em floresta de várzea do estuário amazônico. Amazônia, 2007 2: 67-84.
14.Santos, R. da S.; Coelho-Fereira, M. Estudo etnobotânica de Mauritia flexuosa L.f. (Arecaceae) em comunidades ribeirinhas do Município de Abaetetuba, Pará, Brasil. Acta Amaz. 2012 42: 1-10.
15.Almeida, A.F.; Jardim, M.A.G. A. Utilização das espécies arbóreas da floresta de várzea da Ilha de Sororoca, Ananindeua, Pará, Brasil por moradores locais. Rev. Bras. de Cien. Ambient. 2012 21: 48-54.
16.Hiraoka, M.; Rodrigues, D.L. Porcos, Palmeiras e Ribeirinhos na várzea do Estuário do amazonas. In: FURTADO, L. G. (Eds). Amazônia: desenvolvimento e qualidade de vida. Belém: Universidade Federal do Pará. 1997 p. 71-101.
17.Spata, A.V. Métodos de pesquisa: ciência do comportamento e diversidade humana. Rio de Janeiro: LTC, 2005.
18.Bailey, K. Methods of social research. 4 ed. New York: The Free Press.1994.
19.Albuquerque, U.P. de, Lucena, R.F.P. de; Cunha, L.V.F.C da (Orgs.). Métodos e Técnicas na Pesquisa Etnobiológica e Etnoecológica. Recife, PE: NUPPEA (Coleção Estudos e Avanços). 2010. p. 23-37.
20.Dransfield, J. A guide to collecting palms. Ann. Missouri Bot. Gard. 1986 73: 166-176.
21.Ryan, G.W.; Nolan, J.M.; Yoder, P.S. Successive Free Listing: using multiple free list to generate explanatory models. Field Methods. 2000 12: 83-107.
22.Albuquerque, U. P. Introdução a etnobotânica. 2. ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2005. 93 p.
23.Zambrana, N.Y. P.; Byg, A.; Svenning, J.C.; Moraes, M.; Grandez, C.; Balslev, H. Diversity of palm uses in the western Amazon. Biodivers Conserv. 2007 16: 2771–2787.
24.Anyinam, C. Ecology and ethnomedicine: exploring links between current environmental crisis and indigenous medical practices. Social Sci Med. 1995 40: 321–329.
25.Ladio, A; Lozada, M. Patterns of use knowledge of wild edible plants in distinct ecological environments: a case study of a Mapuche community from northwestern Patagonia. Biodivers Conserv. 2004 13: 1153–1173.
26.Araújo, F.R.; Lopes, M.A. Diversity of use and local knowledge of palms (Arecaceae) in eastern Amazonia. Biodivers Conserv. 2011 21: 487-50.
27.Byg, A.; Balslev, H. Diversity and use of palms in Zahamena, eastern Madagascar. Biodivers Conserv. 2001 10: 951–970.
28.Robert, P. de.; Garcés, C.L.; Laques, A.E.; Coelho-Ferreira, M. A beleza das roças: agrobiodiversidade Mebêngôkre-Kayapó em tempo de globalização. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum, 2012 7: 339-369.
29.Vendruscolo, G.S.; Mentz, L.A. Estudo da concordância das citações de uso e importância das espécies e famílias utilizadas como medicinais pela comunidade do bairro Ponta Grossa, Porto Alegre, RS, Brasil. Acta bot. bras. 2006 20: 367-382.
30.Albán, J.; Millán, B.; Kahn, F. Situación actual de lainvestigación etnobotánica sobre palmeras de Perú. Rev. peru. biol. 2008 15 (supl. 1): 133- 142.
31.Simonian, L. T.L. Pesquisa em Ciências Humanas e Desenvolvimento entre Populações Tradicionais Amazônicas. Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi. Cienc. Hum., Belém, 2005 1: 119-134.

Downloads

Publicado

2014-11-06