Plantas medicinais comercializadas na feira livre do município de Pocinhos-PB: conhecimentos do raizero versus literatura

Autores

  • Aline dos Santos França Universidade Federal de Campina Grande
  • Diégina Araújo Fernandes Universidade Federal de Campina Grande
  • Isabelly da Silva Venancio de Macêdo Universidade Federal de Campina Grande
  • Patrícia da Silva Oliveira Universidade Federal de Campina Grande
  • Danielly Albuquerque da Costa Universidade Federal de Campina Grande

Palavras-chave:

Plantas medicinais, chá, doença

Resumo

A riqueza de recursos naturais do Brasil oferece uma gama de espécies vegetais com potencial na profilaxia e tratamento de várias enfermidades. Na medicina popular o raizeiro tem um papel fundamental para o uso das plantas medicinais, “receitando-as” para atender as necessidades da população. O presente estudo teve como objetivos registrar as plantas medicinais comercializadas por raizeiros na feira livre do município de Pocinhos-PB, verificando suas respectivas indicações terapêuticas, parte utilizada e o seu modo de utilização, além de analisar e comparar as semelhanças e/ou divergências das plantas citadas com as indicações descritas pela literatura. O estudo foi realizado após aprovação pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal da Paraíba, protocolo nº 12129713.4.0000.5182. A metodologia adotada foi a de questionários semi-estruturados, contendo informações sobre as espécies medicinais. Foi possível identificar 25 espécies distribuídas em 14 famílias. O chá (92%) foi a principal forma de utilização indicada pelo raizeiro. Quanto à parte vegetal, verificou-se que são usadas para comercialização principalmente as folhas (40%). Através da listagem livre, verificou-se que as plantas são procuradas para diferentes tipos de enfermidades, desde doenças dos aparelhos digestivo, respiratório, circulatório a problemas hepáticos ou relacionados ao sistema nervoso central. As indicações do raizeiro quando comparadas com as da literatura demonstram que as informações obtidas têm um grau de veracidade confiável, pois nos resultados observa-se um expressivo percentual de 88% de concordância, demonstrando que esse profissional mesmo sem o conhecimento científico adequado conhece bem o uso etnomedicinal das espécies comercializadas.

Biografia do Autor

Aline dos Santos França, Universidade Federal de Campina Grande

Acadêmica do Curso de Bacharelado em Farmácia, Universidade Federal de Campina Grande , Centro de Educação e Saúde, Unidade Acadêmica de Saúde, Cuité, PB, Brasil

 

Diégina Araújo Fernandes, Universidade Federal de Campina Grande

Acadêmica do Curso de Bacharelado em Farmácia, Universidade Federal de Campina Grande , Centro de Educação e Saúde, Unidade Acadêmica de Saúde, Cuité, PB, Brasil

Isabelly da Silva Venancio de Macêdo, Universidade Federal de Campina Grande

Acadêmica do Curso de Bacharelado em Farmácia, Universidade Federal de Campina Grande , Centro de Educação e Saúde, Unidade Acadêmica de Saúde, Cuité, PB, Brasil

Patrícia da Silva Oliveira, Universidade Federal de Campina Grande

Acadêmica do Curso de Bacharelado em Farmácia, Universidade Federal de Campina Grande , Centro de Educação e Saúde, Unidade Acadêmica de Saúde, Cuité, PB, Brasil

Danielly Albuquerque da Costa, Universidade Federal de Campina Grande

Professora do Curso de Bacharelado em Farmácia, Unidade Acadêmica de Saúde, Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, CEP 58175-000, Cuité-PB, Brasil

Referências

Silva, SR; Buitrón, X; Oliveira, LH; Martins, MVM. Plantas medicinais do Brasil: aspectos gerais sobre legislação e comércio. Ministério de Cooperação Econômica e Desenvolvimento da Alemanha & IBAMA [internet], 2001. Disponível em http://fitoscience.com.br/administracao/upload/20100823_101801.pdf
2. Adriano, J. Desenvolvimento de forma farmacêutica tópica gel contendo o extrato seco de Ipomoea pes-caprae. [Dissertação]. Universidade Vale do Itajaí; 2009.
3. Freitas, AVL; Coelho, MFB; Azevedo, RAB; Maia, SSS. Os raizeiros e a comercialização de plantas medicinais em São Miguel, Rio Grande do Norte, Brasil. R. Bras. Bioci. 2012; 10 (2): 147-156.
4. Bredow, C.; Sert, MA.;Albiero, AM. Mitos e Verdades Sobre as Plantas Medicinais. VI Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar; 27 a 30 de outubro de 2009; Maringá-PR.
5. Gomes, ECS.; Barbosa, J; Vilar, FCR; Perez, JO.; Ramalho, RC. Plantas da caatinga de uso terapêutico: levantamento etnobotânico. II Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica; 2007; João Pessoa-PB.
6. Gonsalves, EM. Iniciação à pesquisa científica. 3 ed. Campinas: Alínea. 2001.
7. Polit, DF.; Beck, CT.; Hungler, BP. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2004.
8. Vergara, SC. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2004.
9. IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. http://www.censo2010.ibge.gov.br - Acessado em 24 de Março de 2013.
10. Alves, RRN; Silva, AAG; Souto, WMS; Barboza, RRD. Utilização e Comércio de Plantas Medicinais em Campina Grande, PB, Brasil. Rev. Elet. de Farmácia (REF). 2007; IV (2):175-193.
11. Lorenzi, H; Matos, FJA. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas. 1ª ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2002.
12. Saad, GA; Léda, PHO; Sá, IM; Seilack, ACC. Fitoterapia contemporânea: tradição e ciência na prática clínica. 1ª ed. Rio de janeiro: Elsevier, 2009.
13. Sousa, MP; Matos, MEO; Matos, FJA; Machado, MIL; Craveiro, AA. Constituintes químicos ativos e propriedades biológicas de plantas medicinais brasileiras. 2ª ed. Fortaleza: Editora UFC, 2004.
14. Lima, JLS; Furtado, DA; Pereira, JPG; Baracuhy, JGV; Xavier, HS. Plantas medicinais de uso comum no nordeste do Brasil. 1ª ed. Campina Grande: Ludigraf Editora e Gráfica Ltda, 2006.
15. Brasil. ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. Brasília: Anvisa, 2011.
16. Pilla, MAC.; Amorozo, MCM. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, Município de Mogi-Mirim, SP, Brasil. Acta bot. bras. (2006); 20(4): 789-802.
17. Simões, CMO; Schenkel, EP; Gosmann, G; Mello, JCP; Mentz, L.A; Petrovick, PR. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6ª ed. Porto Alegre: UFRGS, Editora da UFSC, 2010.
18. Cunha, AP. Farmacognosia e Fitoquímica. 3ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.
19. Brasil. ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Informe técnico nº 45, de 28 de dezembro de 2000. Brasília: Anvisa, 2010.
20. Matos, FJA. Plantas medicinais: guia de seleção e emprego das plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. 3ª ed. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2007.
21. Gazzaneo, LRS; Lucena, RFP; Albuquerque, UP. Knowledge and use of medicinal plants by local specialists in an region of Atlantic Forest in the state of Pernambuco (Northeastern Brazil). J. Ethn. Ethnome. 2005; 1: 1-8.
22. Jesus, RPFS; Costa, MRM; Bastos, IV; Couto, GBL; Pereira, MSV; Souza, IA. Ação antibacteriana e antiaderente de Pithecellobium cochliocarpum (Gomez) Macbr sobre microrganismos orais. Odontol. Clín.-Cient. 2010; 9 (4): 331-335.
23. Dantas, IC; Guimarães, FR. Plantas Medicinais Comercializadas no Município de Campina Grande, PB. Rev. Biol. Farm. 2007; 1(1): 1-13.
24. Dantas, IC. O Raizeiro. 1ª ed. Campina Grande: EDUEP, 2007.

Downloads

Publicado

2014-10-09