Stock Diorítico Canindé Velho, Domínio Canindé, Faixa Sergipana: Geologia, Petrografia e Geoquímica

Autores

  • Laerte Rodrigues Santos Pós-Graduação em Geociências e Análise de Bacias - - Universidade Federal de Sergipe
  • Maria Lourdes Silva Rosa Pós-Graduação em Geociências e Análise de Bacias - Universidade Federal de Sergipe
  • Herbet Conceição Pós-Graduação em Geociências e Análise de Bacias - Universidade Federal de Sergipe

Palavras-chave:

Stock Canindé Velho, Petrografia, Geoquímcia, Dioritos

Resumo

O Stock Diorítico Canindé Velho (± 6 km²), com forma alongada NW-SE é intrusivo em rochas plutônicas do Domínio Canindé, e localiza-se na parte norte da Faixa Sergipana. Os seus contatos com as encaixantes são bem marcados nas fotografias aéreas e estão retrabalhado por falhas. Os afloramentos são abundantes e os dioritos apresentam granulação média a grossa, mostram estrutura isotrópica ou localmente marcada por fluxo magmático que orienta os cristais de hornblenda, plagioclásio e enclaves. A análise modal permitiu classificar as rochas desse stock como sendo biotita hornblenda quartzo diorito, hornblenda biotita quartzo diorito e biotita diorito. O embasamento do stock é formado por hornblenda quartzo monzonito porfirítico. As texturas indicam que essas rochas não foram submetidas a deformações regionais encontradas nas encaixantes. Os dados geoquímicos identificaram a natureza metaluminonsa, sub-alcalina, com afinidades cálcio-alcalina de alto K2O e shoshonítica. Os dados de elementos traços revelam trata-se de magmatismo pós-colisional com afinidade com os magmas gerados em ambiente de arco vulcânico. Os aspectos identificados nesse stock permitem associa-lo ao magmatismo pós-orogênico do Tipo Serra do Catu.

Downloads

Publicado

2014-07-29

Edição

Seção

Artigos