Condicionamento osmótico em sementes de limão ‘Volkameriano’ (Citrus volkameriana Tan. and Pasq.)

Autores

  • Andréa dos Santos Oliveira Universidade Federal de Lavras
  • Michelle da Fonseca Santos Universidade Federal de Sergipe
  • Robério Anastácio Ferreira Universidade Federal de Sergipe
  • Arie Fitzgerald Blank Universidade Federal de Sergipe
  • Renata Silva-Mann Universidade Federal de Sergipe Av. Marechal Rondon s/n Jardim Rosa Elze São Cristóvão-SE 49100-000

Palavras-chave:

Porta-enxerto, Envigoramento, Polietilenoglicol, Priming

Resumo

As sementes quando submetidas ao condicionamento osmótico apresentam resultados desejáveis como uniformidade na germinação e redução do tempo entre a semeadura e a emergência no campo. Neste sentido, este trabalho foi realizado com o objetivo de analisar o comportamento de sementes de limão ‘Volkameriano’ quando submetidas a tal tratamento. Para isto, foram testados os potenciais -0,6; -0,8; -1,0 e -1,2 MPa por 0, 4, 8 e 12 dias e avaliou-se o grau de umidade, germinação, índice de velocidade de germinação, respostas ao envelhecimento acelerado, emergência em campo e o índice de velocidade de emergência. A germinação foi afetada pelo condicionamento osmótico, assim como o índice de velocidade de germinação. Na emergência, os potenciais até -1,0 MPa mantêm a porcentagem de plântulas emergidas, sendo estes superiores à germinação em laboratório e índice de velocidade de emergência, aumentando com o tempo de condicionamento e reduzindo com o aumento do potencial osmótico.

Biografia do Autor

Renata Silva-Mann, Universidade Federal de Sergipe Av. Marechal Rondon s/n Jardim Rosa Elze São Cristóvão-SE 49100-000

concluiu o doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras em 2002. Durante o doutorado estagiou na área de genética molecular e melhoramento na Brigham Young University (Utah/EUA). Tem pós-doutorado na Universidade Federal de Sergipe e na Wageningen University Research com expressão gênica em sementes submetidas ao estresse. É Professora Adjunta da Universidade Federal de Sergipe, Coordenadora da RIDESA em Sergipe. Atua nas áreas de Genética e Tecnologia de Sementes. Orienta no mestrado em Agroecossistemas e no mestrado de Biotecnologia em Recursos Naturais, Co-orienta no Doutorado Renorbio.

Downloads

Publicado

2014-09-27