Irradiação do chá verde para controle de fungos Aspergillus sp.

S. G. Lemos, E. B. Silva, M. S. Nascimento, I. S. Oliveira, L. F. Costa

Resumo


O uso de insumos vegetais, entre eles o chá verde (Camelia sinensis) vem aumentando no Brasil. Com o crescimento do consumo, potencializam-se os riscos de contaminação devido à manipulação e armazenamento inadequados, o que implica a necessidade de meios que possam controlar estes fatores, como, por exemplo, uso da radiação ionizante. Neste contexto, o presente trabalho objetivou avaliar o efeito da radiação gama sobre a quantidade de fenólicos totais, atividade antioxidante e carga fúngica do extrato aquoso de chá verde, visando seu processamento. Foram analisadas alíquotas de amostra a granel antes e após a irradiação gama (doses: 0; 5; 7,5 e 10 kGy). O teor de fenólicos totais dos extratos aquosos foi determinado utilizando o reagente Folin-Ciocalteu tendo a catequina como padrão. Os mesmos extratos obtidos foram utilizados para avaliar sua capacidade de sequestrar o radical livre DPPH (1, 1-difenil-2-picrilhidrazil). As análises microbiológicas foram realizadas a partir das amostras irradiadas e controle. O processamento por radiação em diferentes doses (5; 7,5 e 10 kGy) não provocou perdas de compostos fenólicos nem reduziu a capacidade antioxidante dos extratos aquosos do chá verde em relação à amostra controle. Observou-se ainda, que a radiação pode ter provocado efeito catalisador na reação de oxidação do DPPH, e ainda se mostrou eficaz no controle microbiológico, mesmo não conseguindo eliminar os fungos aflatoxigênicos.

Palavras-chave


Camellia sinensis, irradiação de alimentos, seqüestro de radicais livres.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.