Comportamento de ratos Wistar no Paradigma da Exploração Livre

Tiago Costa Goes, Fabrício Dias Antunes, Thiago Henrique Almeida Souza, Fábio Reis Carvalho Ursulino, Flávia Barreto Garcez, André Luiz L. Melo, Flavia Teixeira-Silva

Resumo


O Paradigma da Exploração Livre (PEL) tem sido proposto como um modelo animal de ansiedade-traço e, portanto, um modelo de escolha para categorizar os roedores de linhagens heterogênicas de acordo com o seu perfil ansioso. Para tanto se faz necessário conhecer o comportamento destes roedores no referido modelo. Assim, o objetivo do presente estudo foi descrever os parâmetros comportamentais de ratos Wistar, machos, no PEL. Trezentos e sessenta ratos Wistar, machos, foram submetidos ao PEL. Os seguintes parâmetros foram avaliados: porcentagem de tempo no ambiente novo (%TAN), porcentagem de “rearing” no ambiente novo (%RAN), porcentagem da distância no ambiente novo (%DAN), número de tentativas de aproximação do ambiente novo e distância total percorrida. Os dados foram expressos em mediana e intervalo interquartil e, média ± desvio padrão. A preferência pela novidade foi avaliada por teste t para uma amostra, em que se comparou a média da %TAN, da %RAN e da %DAN a 50%. Os resultados mostraram que os parâmetros %TAN, %RAN e %DAN apresentaram uma média significativamente maior que 50%, demonstrando uma preferência dos animais pelo ambiente novo, conforme descrito na literatura referente a este modelo. Além disso, os valores aqui obtidos do parâmetro %TAN serão muito úteis para futuros estudos que necessitem categorizar os animais de acordo com seu perfil ansioso. 

Palavras-chave


Ansiedade-traço; Paradigma da Exploração Livre; ratos Wistar

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.