O ordenamento urbano da Praia do Titãzinho na voz de seus moradores

Sandra Farias Maia-Vasconcelos, Roberto Bruno Moreira Rebouças, Fábio Perdigão Vasconcelos

Resumo


Ao longo dos anos, as cidades vão modificando seus desenhos graças à ação constante do homem sobre a natureza. No caso específico do Titãzinho, a construção do Porto do Mucuripe e o seu molhe perpendicular à Praia do Futuro – molhe do Titã – fizeram acumularem-se sedimentos a leste do porto, na linha de praia da Praia do Futuro, promovendo um ganho de aproximadamente 500 metros de faixa de praia junto ao molhe e gradualmente no restante da praia. Esse crescimento promoveu uma ocupação humana. Pessoas foram deslocadas dos seus ambientes domiciliares anteriores, pelas obras do porto, bem como a ocupação por pessoas advindas de toda parte do interior do estado, que vieram se instalar, construindo casas e ruas. Tivemos como objetivo identificar e compreender, pelo discurso da comunidade, a construção da paisagem e a formação da nova praia nas narrativas de moradores do Titãzinho. A pesquisa se justifica pelo ineditismo da proposta, e pela possibilidade de trazer à luz as vozes dos moradores e compreender a polifonia existente nos discursos em composição com o discurso institucional. Para a realização do trabalho, inicialmente, foi feito um estudo sobre a história do bairro, e em seguida elaboramos os roteiros das entrevistas de atuação junto à comunidade do Titãzinho. Contamos com o apoio da Associação dos Moradores do Titãzinho e dos seus Agentes Digitais que fazem a ponte entre pesquisadores e a comunidade.


Palavras-chave


Memórias, Narrativas e Discurso

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.