Número de haste e espaçamento na produção e qualidade do tomate

Augusto Jorge Miranda Heine, Maria Olimpia Batista Moraes, John Silva Porto, José Rafael Souza, Tiyoko Nair Hojo Rebouças, Bruna Silva Ribeiro Santos

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção e a qualidade do tomate sob diferentes adensamentos e número de hastes. O estudo foi conduzido na fazenda Murici no município de Ibicoara – BA, em delineamento blocos casualizado com 8 repetições e esquema fatorial 2 x 2, com dois espaçamentos (1,4 x 0,5 e 1,4 x 0,25 m), duas quantidades de hastes por planta (uma e duas hastes). Ao final, foi avaliado o número de frutos por planta, diâmetro longitudinal, diâmetro transversal, peso médio dos frutos, produção por planta, produtividade, pH da polpa do fruto, teor de ácido ascórbico, acidez titulável, teor de sólidos solúveis, relação sólidos solúveis e acidez titulável e firmeza. O adensamento conferiu menores quantidades de fruto e peso médio por fruto, mas obteve maior produtividade. Enquanto o tomateiro produzido com duas hastes obteve maior número de frutos e menor peso médio por fruto, mas atingiu maior produtividade. Em relação a qualidade dos frutos melhores resultados foram alcançados utilizando plantio com menor adensamento e plantas conduzidas com uma haste. Para a produção de tomate, recomenda-se o plantio em maior adensamento, aliado à condução das plantas com duas hastes. Porém, acarretará na obtenção de frutos com menor calibre, mais leves e menor qualidade do fruto.  


Palavras-chave


Solanum lycopersicum, adensamento, pós colheita

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.14808/sci.plena.2015.090202

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena
Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.