Produção de mudas de batata-doce em função da posição da folha e de diferentes concentrações de AIB

Aléa Dayane Dantas de Santana, Maria de Fátima Arrigoni-Blank, Arie Fitzgerald Blank, Thiago Matos Andrade, Fernanda Ferreira Tavares, Rodrigo Pereira Alves, Abraão Dantas de Santana

Resumo


Com o objetivo de avaliar a influência da posição da folha e do uso do AIB na produção de mudas de batata-doce, Ipomoea batatas L., foram implantados dois ensaios em casa de vegetação. O delineamento experimental empregado para ambos foi o de blocos casualizados, com três blocos e uma repetição em cada bloco, sendo o primeiro experimento conduzido em esquema fatorial 4x2, testando-se quatro posições da folha (quarta, quinta, sexta e sétima) e duas concentrações de AIB (0 e 100 mg.L-1). Para o segundo experimento, utilizou-se o esquema fatorial 2x5, sendo duas posições de folha (terceira e quarta) e cinco concentrações de AIB (0 mg.L-1; 25 mg.L-1; 50 mg.L-1; 75 mg.L-1 e 100 mg.L-1). As variáveis avaliadas foram: sobrevivência; altura de planta; número de folhas; comprimento de raiz; massa seca de raiz, caule, folha e pecíolo. Nos dois ensaios constatou-se que a presença de AIB contribuiu de forma negativa para o desenvolvimento de mudas de batata-doce. Já as diferentes posições foliares não tiveram efeito na maioria das variáveis nos dois ensaios, exceto para número de folhas no ensaio 1. Logo, mudas de batata-doce devem ser produzidas na ausência de AIB e não são influenciadas pela posição da folha.


Palavras-chave


Ipomoea batatas L.; fitormônio; qualidade de mudas

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Scientia Plena

Licença Creative Commons
Todo conteúdo deste periódico, salvo quando explicitado de forma diferente, está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.