Scientia Plena https://scientiaplena.org.br/sp <p class="MsoNormal">Scientia Plena é uma publicação científica mensal, multidisciplinar, editada pela Associação Sergipana de Ciência, dedicada a ajudar e incentivar o desenvolvimento da ciência.</p> <p class="MsoNormal">Scientia Plena visa atingir um público amplo, composto de toda a comunidade científica envolvida na pesquisa e no desenvolvimento da ciência.</p> <p class="MsoNormal">Scientia Plena publica artigos de conteúdo original e inédito com resultados significativos em todas as áreas da ciência. Os artigos podem ser escritos em Português, Inglês ou Espanhol e devem ser enviadas para o Editor por meio de submissão eletrônica.</p> <p class="MsoNormal">Scientia Plena está indexada nas seguintes bases de dados e diretórios: DOAJ, Latindex, CAS, InfoBase Index, Revistas no SEER-IBICT.</p> <p class="MsoNormal">Título abreviado: Sci. Plena </p> Associação Sergipana de Ciência pt-BR Scientia Plena 1808-2793 <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <ol> <li>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li>Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado.</li> </ol> β-frutofuranosidase termoacidofílica induzida com farelo de soja produzido por um novo Aspergillus flavus isolado da Mata Atlântica https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/6994 <p>Elevada produção de beta-frutofuranosidase foi obtida com o novo fungo <em>Aspergillus flavus</em> isolado da Mata Atlântica em cultivo sólido suplementados com farelo de soja (53,36 U/ml). Esta beta-frutofuranosidase obtida após 6 dias de cultivo com o farelo de soja foi parcialmente purificada por colunas cromatográficas de troca iônica DEAE-Sephadex, com rendimento final de 19%, com massa molecular aparente de 37 KDa por SDS-PAGE. O pH e a temperatura ótima de atividade da enzima foram de 5,0 e 60°C, respectivamente. A enzima exibiu estabilidade ao pH com 70% de atividade residual após 12 horas na faixa de pHs ácido (5,0 e 5,5), enquanto que nas temperaturas de 45ºC a 55ºC a enzima mostrou estabilidade superior a 50%. Portanto, as características dessa invertase termoacidofílica de <em>A. flavus</em> apresenta potencial para uso em diversos processos biotecnológicos.</p> Diandra de Andrades Tatiane Sayuri Inagaki Lucas Alejandro Lopez Karg Fabíola Ayumi Yassuda Minomo Natália Sartori Brandão Caroline Henn Alexandre Maller José Luis da Conceição Silva Rita de Cássia Garcia Simão Marina Kimiko Kadowaki Copyright (c) 2024 Diandra de Andrades , Tatiane Sayuri Inagaki, Lucas Alejandro Lopez Karg, Fabíola Ayumi Yassuda Minomo, Natália Sartori Brandão, Caroline Henn, Alexandre Maller, José Luis da Conceição Silva , Rita de Cássia Garcia Simão, Marina Kimiko Kadowaki http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.011501 Fitossociologia de componente lenhoso de uma área de vegetação em Floriano, sul do Piauí https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7245 <p>Esse estudo se propõe realizar um inventário fitossociológico em uma área de vegetação com características de semiárido, no município de Floriano, região Sul do estado do Piauí, visando minimizar a lacunas no conhecimento sobre o bioma. Nesse estado, as fitosisionomias são influenciadas por distintos ecossistemas e apresenta áreas transicionais (caatinga/cerrado) ainda pobremente estudadas. Foi realizada uma amostragem da vegetação na Fazenda Experimental do Colégio Técnico de Floriano (CTF), cujos pontos quadrantes foram dispostos. Parâmetros fitossociológicos (área basal, dominância relativa, frequência relativa e densidade relativa) foram calculados usando o software Fitopac 2.1 e RStudio. Na área inventariada foram contabilizados 684 indivíduos (643 indivíduos vivos e 41 mortos), totalizando 28 etnoespécies, identificados entre 13 espécies, nove gêneros, três ao nível de família e cinco desconhecidos. Combretaceae se destacou na área estudada. Provavelmente por ser pioneira, heliófila e se adaptar bem ao clima local. Assim, a variação no número de espécies encontradas nos diversos estudos para a caatinga e/ou cerrado pode ser explicada por alguns fatores tais como, topografia, tipo e permeabilidade do solo, pluviosidade local, perturbações antrópicas e até os critérios de inclusão para a seleção da amostra. Essas pesquisas são essenciais para a elaboração de estratégias de conservação por conta do conhecimento e registro dos distintos ambientes florísticos e fitofisionômicos da flora local.</p> <p><em> </em></p> Maria Clara Santos Dantas José Ribamar Sousa Júnior Júlio Marcelino Monteiro Copyright (c) 2024 Maria Clara Santos Dantas, José Ribamar Sousa Júnior, Júlio Marcelino Monteiro http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.011201 Variabilidade química do óleo essencial de Piper obliquum Ruiz & Pavan. coletada na Estação Ecológica de Cuniã, Porto Velho-Rondônia https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7262 <p>A sazonalidade é um dos fatores que influenciam no metabolismo secundário das plantas, afetando a composição dos óleos essenciais. A família Piperaceae tem importância ecológica e econômica, sendo a <em>Piper obliquum</em> Ruiz &amp; Pav. representante dessa família. Esta espécie é denominada pelos índios Yanomani de Papiu como <em>xama-hanaki</em>. A planta foi coletada na Estação Ecológica de Cuniã, Porto Velho, Rondônia, em cinco períodos do ano, abrangendo os meses de outubro, novembro de 2011 e fevereiro, maio e agosto de 2012. A extração do óleo essencial foi realizada por meio da hidrodestilação e análise do material foi através de cromatografia a gás associada à espectrometria de massas. Os componentes determinados nas foram majoritariamente da classe dos terpenos, onde o maior teor foi de α-pineno, canfeno e β-pineno. A análise de agrupamento hierárquico resultou na formação de grupos distintos para as amostras nos meses de outubro, novembro e agosto para os períodos de fevereiro e maio. Através da Análise de Correspondência Múltipla (ACM) e Análise de Componentes Principais (ACP) verificou-se que alguns constituintes não apresentaram variações significativas, porém muitas substâncias demonstraram correlação positiva concernente ao período coletado. A maioria dos compostos apresentou baixa composição independente do período coletado. A variação química observada dos espécimes obtidos nos diferentes meses corrobora com a influência do ambiente na variação dos componentes do metabolismo secundário dos vegetais.</p> Jussara Rojas e Silva Aizzo Angelo Gilberto Manzatto Adeilza Felipe Sampaio Mariangela Soares Azevedo Copyright (c) 2024 Jussara Rojas e Silva Aizzo, Angelo Gilberto Manzatto, Adeilza Felipe Sampaio, Mariangela Soares Azevedo http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.017201 Caracterização química da matéria orgânica do solo em diferentes sistemas de manejo no ecótono Cerrado-Pantanal https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7263 <p>Os diferentes usos e ocupações do solo impactam diretamente nos atributos edáficos, que podem ser identificados pelos indicadores de qualidade do solo, sendo a matéria orgânica um excelente indicador de qualidade edáfica. O objetivo do trabalho foi caracterizar quimicamente a matéria orgânica do solo (MOS) em diferentes sistemas de manejo no município de Aquidauana, Mato Grosso do Sul, Brasil. Amostras de solo foram coletadas em cinco áreas com diferentes práticas de manejo, além de uma área de floresta nativa de Cerrado (NF), e as áreas manejadas foram: solo exposto (ES), sistema de preparo convencional (SPC), plantio direto (SPD), pastagem permanente (PP) e cana-de-açúcar (SC). Além da determinação da densidade do solo (Ds), foram quantificados os teores e estoques de carbono orgânico total (COT), bem como os teores e estoques de carbono (C) das frações humificadas: ácido húmico (AH), ácido fúlvico (AF) e humina (HUM), com posterior cálculo de HA/FA e extrato alcalino/humina (AE/HUM) e índice de estratificação TOC (SI). Não houve mudanças significativas para Ds após seis anos de implantação dos sistemas de gestão. Os níveis e estoques de COT foram maiores nas áreas de PP e SPD. A fração HUM foi predominante, com maiores teores e estoques de todas as frações para as áreas de PP e SPD, demonstrando a maior intensidade do processo de humificação nesses sistemas de manejo, com maior estabilidade do C no solo após seis anos de experimento (...).</p> Camila Beatriz da Silva Souza Paulo Guilherme da Silva Farias Jean Sérgio Rosset Jefferson Matheus Barros Ozório Elói Panachuki Jolimar Antonio Schiavo Paulo Rikardo Lima Copyright (c) 2024 Camila Beatriz da Silva Souza, Paulo Guilherme da Silva Farias, Jean Sérgio Rosset, Jefferson Matheus Barros Ozório, Elói Panachuki, Jolimar Antonio Schiavo, Paulo Rikardo Lima http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.010201 Tratamento fotocatalítico sob luz visível aplicado à solução aquosa de glifosato https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7324 <p>Muitos resíduos químicos produzidos pela indústria e por atividades agrícolas são prejudiciais ao meio ambiente. Pesticidas e herbicidas causam poluição no solo e nas águas, além de poder apresentar efeitos tóxicos para os seres vivos. O glifosato, N-(fosfometil)glicina, é um herbicida amplamente utilizado no controle não seletivo de ervas daninhas. O composto organofosforado, sistêmico e pós-emergente, representa 60% do mercado mundial de herbicidas não seletivos. Um dos métodos para a remoção de pesticidas de águas residuais mais seguro e menos dispendioso é a fotocatálise. Evidências na literatura mostram que a fotocatálise apresenta potencial para a remoção de contaminantes herbicidas presentes em águas superficiais e no solo. Neste trabalho foi avaliada a degradação fotocatalítica e redução de fitotoxicidade de glifosato na presença de dióxido de cério (CeO<sub>2</sub>), dióxido de titânio (TiO<sub>2</sub>) e óxido de zinco (ZnO) como catalisadores (2 g L<sup>-1</sup>) sob fonte de radiação visível. Dentre os catalisadores empregados, o CeO<sub>2</sub> obteve a maior eficiência com 17% de degradação, seguido do ZnO com 6,8% e TiO<sub>2</sub> com 6,4%. A concentração de fotocatalisador CeO<sub>2</sub> foi diminuída para 1 g L<sup>-1</sup> para analisar sua influência e observou-se redução na degradação de 17% para 15%. Foi avaliada também a fitotoxicidade do produto das reações, sendo constatada a formação de composto não fitotóxico na reação de fotocatálise utilizando CeO<sub>2</sub> como catalisador.</p> Bruna Eveling Hochscheidt Savana Noro Brondani Alexandre Tadeu Paulino Patricia Hissae Yassue Cordeiro Luiz Jardel Visioli Heveline Enzweiler Copyright (c) 2024 Bruna Eveling Hochscheidt, Savana Noro Brondani, Alexandre Tadeu Paulino, Patricia Hissae Yassue Cordeiro, Luiz Jardel Visioli, Heveline Enzweiler http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.014201 Avaliação da casca da vagem de Libidibia ferrea (Fabaceae) como adsorvente de cromo aplicado a um efluente de curtume sintético https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7328 <p>Dois biossorventes de Cr(VI), um não modificado e o outro com modificação alcalina, produzidos a partir da biomassa da vagem de <em>Libidibia ferrea</em> (LF) foram estudados pela presente pesquisa. Os biossorventes preparados foram caracterizados antes e depois da adsorção ao Cr(VI) através de diferentes técnicas, incluindo FTIR, MEV, EDX, análise de área superficial, volume e diâmetro de poros, e espectroscopia Raman. Além disso, estudos do equilíbrio e da cinética de adsorção também ajudaram a entender o processo adsortivo. Por fim, foi realizado um ensaio de adsorção com o efluente de curtume sintético. A remoção máxima de Cr(VI) no efluente sintético de curtume ficou em torno dos 90% para o biossorvente não modificado. Também o adsorvente não modificado foi caracterizado, com uma maior área superficial e volume de poros. Além disso, os estudos do equilíbrio e cinética de adsorção demonstraram que o biossorvente não modificado possuiria uma superfície heterogênea, com possibilidade de múltiplos sítios de adsorção. Cineticamente foi demonstrado que a fisissorção e a quimissorção, agiram simultaneamente, justificando a rápida adsorção do Cr(VI) a biomassa. Dessa forma, o presente estudo demonstrou que a biomassa da vagem de LF não modificada pode ser utilizada como um biossorvente de Cr(VI), gerando uma possibilidade futura de ser aplicado a um efluente de curtume real. Ao desenvolver um adsorvente de Cr(VI) a partir de um material não convencional, composto pela biomassa da vagem de LF não modificada, o presente trabalho vem apresentar uma alternativa sustentável e de baixo custo ao processo de tratamento de efluentes.</p> José Augusto Oliveira Júnior Roberto Rodrigues de Souza Cristiane da Cunha Nascimento Copyright (c) 2024 José Augusto Oliveira Júnior, Roberto Rodrigues de Souza, Cristiane da Cunha Nascimento http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.011701 Tóxico ou medicinal? Nova abordagem das propriedades farmacológicas e toxicológicas das folhas de Echinodorus macrophyllus https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7378 <p><em>Echinodorus macrophyllus</em> contém alguns fitoquímicos que podem induzir toxicidade, mas também são promissores como ingredientes em produtos para promover e manter a saúde, melhorar o sistema imunológico e prevenir doenças. Os extratos aquoso e etanólico das folhas dessa espécie foram caracterizados por cromatografia líquida de alta eficiência, investigados <em>in vitro</em> quanto à sua ação moduladora sobre enzimas de peçonhas de serpentes e avaliados em ensaios de inibição de enzimas digestivas. Os extratos inibiram a atividade da fosfolipase induzida pelas peçonhas de <em>Bothrops jararacussu</em> e <em>B. moojeni</em>. A atividade hemolítica induzida pela peçonha de <em>Crotalus durissus terrificus</em> foi potencializada em 30-73% pelo extrato etanólico nas proporções analisadas. A atividade trombolítica induzida pela peçonha de <em>B. moojeni</em> foi inibida em 51% e 34% pelos extratos aquoso e etanólico na proporção de 1:5 (p:p), respectivamente. O tempo de coagulação induzido pelas peçonhas de <em>B. moojeni</em> e <em>Lachesis muta muta</em> foi prolongado após a incubação com qualquer um dos extratos. Os extratos também exerceram ação antigenotóxica na fragmentação do DNA induzida pela peçonha de <em>L. muta muta</em>. Ambos os extratos diminuíram a atividade enzimática das α-glicosidases, e o extrato etanólico inibiu as α-amilases. A inibição das enzimas digestivas sugere que os extratos podem diminuir a disponibilidade calórica da ingestão de carboidratos. Resultados confirmam o potencial uso terapêutico de <em>E. macrophyllus</em> na prevenção e tratamento de alterações hemostáticas, uma vez que as proteínas das peçonhas inibidas por ela apresentam alta homologia com proteínas humanas envolvidas em diversos processos fisiopatológicos, como respostas inflamatórias e coagulação sanguínea.</p> Mariana Aparecida Braga Mateus William de Faria Eleutério Pedro Henrique Souza Cesar Isaac Filipe Moreira Konig Marcus Vinicius Cardoso Trento Silvana Marcussi Copyright (c) 2024 Mariana Aparecida Braga, Mateus William de Faria Eleutério, Pedro Henrique Souza Cesar, Isaac Filipe Moreira Konig, Marcus Vinicius Cardoso Trento, Silvana Marcussi http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.014601 O teste do micronúcleo em Ameiva ameiva (Squamata: Teiidae) em matas ciliares do Cerrado Central, Brasil https://scientiaplena.org.br/sp/article/view/7466 <p>Espécies de vida livre podem ser usadas como indicadoras para estimar o impacto dos estressores ambientais. Neste estudo, o lagarto heliófilo <em>Ameiva ameiva</em> foi utilizado pela primeira vez para teste de micronúcleo e outras anomalias nucleares. Este biomarcador é rápido e confiável na avaliação de populações ambientalmente expostas a agentes genotóxicos. Assim, foram coletadas duas populações de animais nas matas ciliares do Cerrado Central com influência de pastagem. Os resultados indicaram a presença de micronúcleos e diferentes anormalidades eritrocitárias nucleares: células com botão nuclear, núcleo segmentado, núcleo entalhado, núcleo lobado e núcleo reniforme. Não houve diferença estatística na frequência de danos ao DNA entre as populações nas áreas de pastagem. A inclusão destas espécies em programas de biomonitoramento parece relevante para esclarecer a suscetibilidade à expressão de danos genotóxicos. Esta espécie possui ampla distribuição geográfica na região Neotropical, o que a torna promissora para pesquisas em mutagênese ambiental.</p> Luana Almeida Souza Marcelino Benvindo-Souza Rinneu Elias Borges Bruno Barros Bittar Murilo Souza Andrade Edmar Pereira Victor-Júnior Camilla de Souza Correia Seixas Rezende Oliveira Wilian Vaz-Silva Lia Raquel de Souza Santos Copyright (c) 2024 Luana Almeida Souza, Marcelino Benvindo-Souza, Rinneu Elias Borges, Bruno Barros Bittar, Murilo Souza Andrade, Edmar Pereira Victor-Júnior, Camilla de Souza Correia, Seixas Rezende Oliveira, Wilian Vaz-Silva, Lia Raquel de Souza Santos http://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2024-02-21 2024-02-21 20 1 10.14808/sci.plena.2024.018001